Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Sisu registra mais de 1 milhão de inscritos no primeiro dia
Início do conteúdo da página
  • Cartão da segunda aplicação do exame pode ser acessado

    O acesso ao cartão de confirmação da inscrição com os locais de provas da segunda aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2018 foi liberado nesta quarta-feira, 5. No total, 2.725 inscritos terão direito a fazer a prova, em razão de intercorrências logísticas nos locais de aplicação do exame, em 4 e 11 de novembro. As provas serão realizadas nos dias 11 e 12 de dezembro, em 16 municípios.

    Para saber o local de prova é necessário acessar a Página do Participante com o CPF e senha cadastrados no ato da inscrição. Aqueles que não se recordam da senha podem redefini-la. O passo a passo encontra-se dentro do sistema de inscrição, na opção Orientações para Recuperação de Senha.

    Nessa mesma data será aplicado o Enem a pessoas privadas de liberdade e jovens sob medida socioeducativa que inclua privação de liberdade (Enem PPL). Este ano, o Enem PPL teve 41.044 inscrições e será aplicado em 1.436 unidades em todos os estados brasileiros.

    Acesse a página do participante 

    Assessoria de Comunicação Social

  • Inep divulga o gabarito oficial da segunda aplicação do exame

    Já estão disponíveis para consulta os gabaritos oficiais e os cadernos de questões da segunda aplicação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2016, realizada em 3 e 4 de dezembro. Ambos podem ser acessados pela página do participante e também pelo aplicativo Enem 2016. Os cadernos de questões também estão disponíveis, dando acesso a todos os itens do exame. Os gabaritos estão separados pelas quatro cores dos cadernos de questões.

    Na prova de ciências da natureza e suas tecnologias, a questão sobre efeito estufa, que tem número diferente dependendo da cor do caderno de questões – 58 no caderno branco, 52 no caderno amarelo, 60 no caderno azul, 88 no caderno rosa – foi anulada.

    Na questão da prova regular são incluídos quatro gráficos, representando cinco gases responsáveis pelo fenômeno de efeito estufa e suas respectivas concentrações na atmosfera entre os anos de 1978 e 2010. A questão demanda que o participante indique qual dos gases tem maior aumento percentual de concentração na atmosfera nas últimas duas décadas.

    Embora não haja incorreções nos dados, as escalas apresentadas nos gráficos podem ter dificultado a visualização dos pontos relativos à concentração de gases e assim, a partir de um cálculo mais sofisticado, permitido uma segunda interpretação por alguns participantes. Por esse motivo o Inep optou por anular a questão e, portanto, não considerá-la no cálculo das proficiências. Como a prova do Enem é baseada na Teoria de Resposta ao Item (TRI), a anulação não tem impacto no resultado final.

    Na prova ledor, aplicada para deficientes visuais, as questões com imagens são adaptadas, e não há possibilidade de uma segunda interpretação, por esta razão não foi anulada.

    Acesse a página do participante

    Assessoria de Comunicação Social 

  • Jovens ou veteranos, participantes do exame sonham com o ingresso na educação superior

     

    Cada um no seu ritmo. Uns calmos, outros apressados. Jovens mães com seus bebês, o senhor de cabelos brancos, o estudante que saltava porque tinha um pé machucado, o outro que chegava em cadeira de rodas, o que esqueceu a caneta preta, a precavida que levava quatro na bolsa e o que vinha logo atrás, com um saco cheio de jujubas. Cada um com suas particularidades e seus pequenos truques para aliviar a ansiedade e aguentar o esforço de quatro horas e meia de exame. Mas todos que atravessam o portão naquele local de provas, em Brasília, estavam focados no mesmo objetivo: obter uma boa nota de desempenho no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

    Neste sábado, 3, estudantes do Distrito Federal e de 22 estados que não participaram do Enem de 2016, realizado em 5 e 6 de novembro, por causa das ocupações de instituições de ensino, puderam fazer as primeiras provas da segunda aplicação. “Achei horrível o adiamento das provas, chorei bastante e sofri durante uma semana porque estava emocionalmente preparada”, disse Eduarda Adão, 18 anos, aluna do Colégio Militar de Brasília. Ela pretende usar a nota do Enem para tentar vaga no curso de psicologia na Universidade de Brasília. Com o adiamento das provas, ela aproveitou para rever os resumos e resolver a prova que não pôde fazer em novembro.

    Para segurar a ansiedade, a jovem trazia na bolsa chicletes, um lanchinho, água e quatro canetas esferográficas na cor preta. “Sou precavida”, avisou. Os candidatos tiveram quatro horas e meia para as provas deste sábado, 3, primeiro dia da segunda aplicação, referentes a ciências humanas, da natureza e suas tecnologias. “É para dar energia”, explicou Eduardo Menezes Gomes, 17 anos, que carregava um saco cheio de jujubas de todas as cores. É a terceira vez que ele faz o Enem. “Mas agora não é mais treino, é pra valer”, diz o estudante, que terminou o ensino médio em uma escola particular e quer usar a nota para disputar vaga no curso de engenharia mecatrônica.

    Redação ─ No domingo, dia 4, os estudantes terão cinco horas e meia, uma hora a mais por conta da redação. “Eu gostei muito do tema da intolerância religiosa do Enem que não pude fazer porque a UnB estava ocupada”, comentou Marcela Antunes, 18 anos, aluna do Centro de Ensino Médio 1 do Paranoá, cidade do Distrito Federal. “Mas nossa professora de redação da escola é muito boa, e treinamos temas relacionados ao negro e à obesidade”, acrescentou a estudante, que vai tentar vaga em biologia.

    Amiga de Marcela, Cléia Alves, 17 anos, não se importou com o adiamento do Enem. “Aproveitei que tinha mais tempo para estudar funções orgânicas, em química, e história do período do Brasil colonial e da era Vargas”, disse.

    A estudante Eduarda, prevenida, levou quatro canetas de cor preta e pretende usar a nota do Enem para tentar vaga no curso de psicologia (foto Mariana Leal/MEC)

    Sentada num meio-fio, num canto à sombra do sol forte de meio-dia, Edinalva Conceição Cavalcante, 45 anos, uma baiana indígena, descendente da etnia taxá, nem se dava ao direito de ficar nervosa. “Não estudei nada e estou aqui com a cara e a coragem”, contou. Ela mora numa reserva indígena em área de preservação ambiental próxima ao Setor Habitacional Noroeste, em Brasília, onde vivem 130 indígenas de cinco etnias: tuxá, fulni-ô, cariri-xocó, guajajara e xucuru. Edinalva trabalha como cuidadora de uma idosa de 91 anos. Há dois anos, terminou o ensino médio ─ frequentou aulas em turma da educação de jovens e adultos. Ela sonha em estudar engenharia florestal por ter interesse na preservação ambiental das áreas indígenas no Brasil.

    Próximo a Edinalva, também acomodada no meio-fio, de guarda-chuva aberto, Adriana Pereira de Souza, de 20 anos, aguardava a abertura do portão. “Esperava chuva, mas serviu para o sol”, comentou. É a segunda vez que ela tenta o Enem. “Ano passado, morava em Tapiramutá, interior da Bahia, e não pude ir ao local de prova, que ficava em outra cidade”, explicou a candidata, que não tinha dinheiro para o transporte. “Eu me preparei para essa prova por conta própria, estudando pelo site Hora do Enem e assistindo a aulas no Youtube”, disse a jovem, que sonha em fazer fonoaudiologia. “Pode ser até numa faculdade privada porque posso conseguir uma bolsa integral ou um financiamento estudantil.”

    Ao toque da sirene, às 13h, quem ainda estava na iminência de não passar pelo portão apressou os passos. Um casal com um bebê foi o último a entrar. Dois jovens chegaram atrasados. Ela entrou de volta no carro que a levara ao local de aplicação, olhou entristecida para o portão, mas não quis dizer nada aos jornalistas. Outro jovem aproximou-se do portão fechado e, aparentemente, não se abalou muito. Disse que não se importava tanto porque era um Enem para servir de teste.

    Neste domingo, os portões serão abertos ao meio-dia, horário de Brasília.

    Rovênia Amorim
    Assessoria de Comunicação Social 

  • Mais de 40% dos inscritos já sabem locais da nova aplicação

    Até o início da tarde desta quinta-feira, 24, 113.269 inscritos no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2016 que participarão da segunda aplicação, em 3 e 4 de dezembro próximo, tinham conferido os locais de prova por meio do cartão de confirmação. O número representa 40,8% do total de 277.624 participantes esperados.

    A verificação do cartão é de responsabilidade dos inscritos, mas o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep) tem enviado mensagens, por SMS e e-mail, a cada três dias, àqueles que ainda não buscaram o acesso, disponível desde o dia 22 último.

    A apresentação do cartão de confirmação nos dias de prova não é obrigatória, mas o documento contém importantes informações, como número de inscrição, data, local e horário de realização das provas, opção de língua estrangeira, necessidade de atendimento especializado ou específico, quando houver, e indicação de solicitação de certificação do ensino médio, se for o caso.

    A verificação dos cartões pode ser feita tanto na Página do Participante na internet, quanto pelo Aplicativo Enem 2016. Em função de critérios estabelecidos pelas lojas virtuais, a visualização dos dados pelo aplicativo estará disponível no fim deste mês. Mais informações pelo telefone 0800-616161.

    Assessoria de Comunicação Social do Inep

    Leia também:

Fim do conteúdo da página