Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Bolsa para professor de cursos de formação tem valores definidos
Início do conteúdo da página
  • Um dos problemas de saúde pública mais preocupantes atualmente, a obesidade infantil, será o tema da próxima edição do programa Salto para o Futuro, nesta quarta-feira, 18, às 20h, na TV Escola. A escolha da matéria não acontece por acaso, uma vez que a Organização Mundial de Saúde (OMS), em seu estudo mais recente de outubro de 2017, apontou um total de 124 milhões de crianças e adolescentes obesos em todo o mundo.

    No Brasil, 9,4% das meninas e 12,4% dos meninos são considerados obesos, de acordo com os critérios adotado pela OMS para classificar a obesidade infantil. Um motivo a mais de preocupação, já que o levantamento também indicou uma elevação dos índices da doença nos países de baixa e média renda. No mundo, os dados mostraram que em apenas quatro décadas o número de crianças e adolescentes obesos saltou de 11 milhões para 124 milhões.

    A pesquisa da OMS advertiu, ainda, que outros 123 milhões de crianças, adolescentes e jovens, com idades entre 5 e 19 anos, já apresentam excesso de peso e a incidência é um pouco maior entre meninos: para cada grupo de cem existem oito meninos, enquanto que entre as meninas esse número fica em torno de seis. Segundo a OMS, uma pessoa é considerada obesa quando o Índice de Massa Corporal (IMC) está acima de trinta. O IMC é resultado de um cálculo que considera peso, altura e idade.

    Diante dessas estatísticas, as causas da doença e as medidas para evitar que crianças, adolescentes e jovens se tornem obesos são o foco desta edição do programa da TV Escola. Para debater o assunto, os convidados são Cláudia Valéria Cardim, professora do Instituto de Nutrição da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e o médico Cid Pitombo, especialista em cirurgia bariátrica.

    Os debatedores defendem que a obesidade infantil precisa se tornar uma preocupação de toda a sociedade. “Pela primeira vez na história, a obesidade infantil tem crescido junto com a de adultos”, alerta Cid Pitombo. Para a professora de nutrição Cláudia Cardim, é preciso “repensar nacionalmente os sistemas alimentares, principalmente as políticas públicas”.

    Apresentado pelos jornalistas Bárbara Pereira e Murilo Ribeiro, o programa Salto para o Futuro é exibido todas as quartas, às 20h, pela TV Escola, emissora vinculada ao Ministério da Educação. A programação pode ser conferida em tempo real pela internet ou pelos aplicativos.

    Confira a programação da TV Escola em tempo real

    Assessoria de Comunicação Social

     

  • Ideia é alertar pais e mães para que crianças e adolescentes tenham hábitos saudáveis 


    Um estudo sobre os riscos à saúde das crianças que passam horas em frente à TV, celulares, videogames e tablets aponta a obesidade como uma das principais doenças que atinge esse público.

    O educador físico Felipe Cureau e a fisioterapeuta Camila Schaan, ambos com doutorado em Endocrinologia pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), e bolsistas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), realizaram pesquisa sobre o tema, publicada recentemente no periódico holandês International Journal of Behavioral Nutrition and Physical Activity. O artigo, em inglês, pode ser lido aqui.

    Abaixo, ambos falam um pouco sobre o que pesquisaram e a relação do universo da tecnologia com a obesidade infantil.

    Capes: O que vocês têm a dizer sobre a pesquisa?
    Cureau: A pesquisa em questão faz parte do Estudo de Riscos Cardiovasculares em Adolescentes (Erica). O Erica teve dados coletados entre 2013 e 2014, envolvendo estudantes de 12 a 17 anos de todo o país, sendo pioneiro na identificação de alguns dos principais fatores de risco para doenças cardiovasculares nesse segmento.

    O estudo teve como principais financiadores a Capes, por meio de bolsas de pós-graduação, o Ministério da Saúde e o Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Ao todo, 75 mil adolescentes participaram do Erica. Trinta e seis mil deles, os que estudam pela manhã, tiveram os dados utilizados.

    Schaan: Usando os dados do Erica, investigamos duas questões:

    1. Se o tempo em frente às telas — televisão, computador e videogame — estava associado à ocorrência de síndrome metabólica (definida pela presença simultânea de obesidade abdominal e pelo menos mais dois fatores de risco cardiovasculares: pressão alta, altas taxas de colesterol ou de açúcar no sangue).

    2. Posteriormente, investigamos o papel do consumo de petiscos (salgadinhos, pipoca, biscoitos, chocolate, balas, etc.) na associação entre tempo de tela e síndrome metabólica.

    Ao todo, 2,6% dos adolescentes apresentaram síndrome metabólica. Dos 36 mil, 20% disseram ficar seis ou mais horas em frente às telas e, destes, 90% relatou consumir petiscos com frequência nesses momentos. Os resultados do estudo apontaram que passar maior tempo em frente às telas aumenta o risco de ter síndrome metabólica. No entanto, observamos que o risco de apresentar síndrome metabólica foi duas vezes maior entre os adolescentes que passavam seis ou mais horas por dia em frente às telas e relataram consumir petiscos com frequência nesses momentos.

    O que motivou essa pesquisa?
    Cureau: O que nos motivou foi o fato de que cada vez mais vivermos cercados por telas. Passarmos mais tempo na frente da televisão, do computador ou usando o celular. Isso gera um impacto na nossa saúde. Schaan: As telas têm funções importantes para a educação, comunicação e lazer dos jovens, mas colaboram para que estejam cada vez mais sedentários e tenham escolhas alimentares influenciadas pela mídia.

    Além disso, pesquisas apontam que o excesso de tempo em frente às telas e o consumo de alimentos não saudáveis e ultraprocessados estão associados à obesidade na adolescência e menos atividade física nessa faixa etária.

    Qual é a importância do trabalho para a sociedade?
    Schaan: Os resultados desse trabalho podem alertar pais, adolescentes e órgãos de saúde para a importância do uso consciente das telas, bem como para a necessidade de evitar o consumo de petiscos nesses momentos. De forma indireta, esse estudo também pode auxiliar na criação de políticas públicas que limitem propagandas de petiscos durante horários e programas com maior audiência do público jovem.

    O que a pesquisa traz de novo?
    Cureau: A principal novidade do nosso estudo foi demonstrar que esses comportamentos aumentam o risco da síndrome metabólica em adolescentes, o que pode estar associado com o desenvolvimento precoce de doenças cardiovasculares e diabetes do tipo 2.

    Como pretende aplicar o seu conhecimento num futuro próximo?
    Schaan: Ajudando a reforçar, com base científica, que adolescentes devem ser incentivados a manter um estilo de vida saudável, praticar atividades físicas e se alimentar bem para evitar problemas de saúde antes identificados apenas em adultos, mas cada vez mais vistos em jovens. Além disso, auxiliar futuros estudos na busca por alternativas para prevenção da obesidade na adolescência e do desenvolvimento precoce de doenças cardiovasculares.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes

Fim do conteúdo da página