Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Emissão e registro de diplomas de graduação terão novas regras
Início do conteúdo da página
Educação de jovens e adultos

Conferência é encerrada com documento que propõe aumentar financiamento

  • Sexta-feira, 04 de dezembro de 2009, 17h25
  • Última atualização em Segunda-feira, 07 de dezembro de 2009, 15h28
(Foto: UNESCO/Björn Otte)Belém – O Marco de ação de Belém, documento que sintetiza as discussões dos quatro dias da 6ª Conferência Internacional de Jovens e Adultos (Confintea), foi apresentado nesta sexta-feira, dia 4, na capital paraense. O texto reflete consenso entre os participantes, mas sua redação exigiu muitas horas de discussão.

O ministro da Educação, Fernando Haddad, observou que, apesar das diferenças entre as 156 delegações de países membros que participaram da conferência, o texto procura refletir a vontade coletiva.

“Foi difícil chegar ao consenso. Mas todos os participantes consideram o texto representativo do que podemos avançar como colegiado num passo a mais na educação de qualidade para jovens e adultos”, afirmou o ministro, durante a cerimônia de encerramento.

No documento, os países reconhecem a importância de reforçar políticas públicas de educação de jovens e adultos, a necessidade de se aumentar o financiamento da área e de estreitar as parcerias entre governos e sociedade civil para melhorar a qualidade da educação destinada a esse público.

A fim de melhorar as políticas educacionais para esta faixa etária, o ministro sugeriu que a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) trabalhe para divulgar experiências exitosas. “A Unesco deve disseminar boas práticas para que as metas de Dacar sejam alcançadas por todos”, disse.

Quanto ao financiamento da educação, o ministro ainda defendeu a criação de fundos internacionais de combate ao analfabetismo. “O Brasil tem reiterado em vários encontros a troca de dívidas por medidas de educação. O atingimento de metas internacionais de educação deveria ser considerado por países credores”, afirmou.

América Latina – A América Latina foi a região que apresentou mais avanços significativos na formulação e implantação de políticas de educação de jovens e adultos, de acordo com dados do primeiro relatório global sobre aprendizado e educação de adultos, apresentado na conferência.

De acordo com o secretário de educação continuada, alfabetização e diversidade do MEC, André Lázaro, todos os países da América Latina incorporaram a agenda da educação de jovens e adultos em suas políticas públicas.

“Equador, Bolívia e Venezuela estão enfrentando fortemente o analfabetismo, O Uruguai reconheceu até mesmo a educação não formal e o México tem fortes programas de educação de jovens e adultos”, exemplificou.

Já o representante da Unesco no Brasil, Vincent Defourny, disse que o Brasil foi o país que teve maior destaque na formulação de políticas para esta faixa etária. “O Brasil deu passos muito importantes ao ser o país que mais institucionalizou políticas no setor”, disse.

Maria Clara Machado
X
Fim do conteúdo da página