Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Gabarito preliminar e cadernos de questões estão disponíveis
Início do conteúdo da página
Educação especial

Salas de recursos dão qualidade à inclusão

  • Sexta-feira, 14 de setembro de 2007, 13h54
  • Última atualização em Segunda-feira, 17 de setembro de 2007, 11h58

Marcílio usa a linguagem de sinais com a professora na sala de recursos(Foto: Adriana Medeiros)Florianópolis — Marcílio Camargo Delfes, de sete anos, cursa a 1ª série do ensino fundamental na Escola Básica Municipal Intendente Aricomedes da Silva, localizada no bairro Cachoeira do Bom Jesus, em Florianópolis (SC). Ele tem surdez total e recebe atendimento educacional especializado oferecido pela escola. Outros 31 alunos com deficiência, de 11 instituições da região, também utilizam as salas de recursos da Escola Aricomedes.

Na sala de recursos multifuncionais, onde é realizado o atendimento educacional especializado, Marcílio é alfabetizado na Língua Brasileira de Sinais (Libras), trabalha o português escrito e pode utilizar equipamentos como computador, livros, revistas e jogos. Ele estuda pela manhã, mas em quatro dias da semana também freqüenta a escola no período da tarde para utilizar a sala de recursos.

Duas professoras e a instrutora de Libras, que também é surda, trabalham na sala de recursos, onde desenvolvem atividades lúdicas com diversos materiais, alguns deles confeccionados por elas. As professoras não querem parar de estudar e consideram satisfatória a oferta de cursos de capacitação profissional. Atualmente, elas fazem o curso de formação para atendimento educacional especializado oferecido pela Secretaria de Educação Especial (Seesp/MEC).

Elas contam que recentemente descobriram uma forma de fazer com que uma aluna da escola, Beatriz Lopes, de sete anos, que tem paralisia cerebral, consiga olhar para o que faz com o lápis. “Sempre que ia usar o lápis, a Beatriz fazia um movimento para trás com a cabeça que a impedia de ver o que estava fazendo. Então, colocamos o lápis na boca da criança para ver como ela reagia e funcionou”, conta animada a professora Raquel Brito. Além de Marcílio e Beatriz, 11 alunos com diferentes tipos de deficiências estão matriculados e estudam na Escola Aricomedes da Silva.

A rede municipal de ensino de Florianópolis tem 12 salas de recursos multifuncionais implementadas com recursos do Ministério da Educação.

Maria Pereira Filha

Leia mais...
Seminário mostra experiências de inclusão

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página