Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Presidente e ministro visitam obras do campus de Arapiraca
Início do conteúdo da página
Enem

Teoria de resposta ao item garante isonomia das provas

  • Quinta-feira, 27 de outubro de 2011, 16h19
  • Última atualização em Quinta-feira, 27 de outubro de 2011, 16h19
A teoria de resposta ao item (TRI) garante a isonomia das provas do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), mesmo se aplicadas em períodos diferentes. A TRI baseia-se em modelos matemáticos que permitem a elaboração de provas diferentes com o mesmo grau de dificuldade. O modelo é baseado em três parâmetros gerais — grau de dificuldade da questão, nível de discriminação (o quanto o item consegue diferenciar o quanto o candidato sabe ou não) e a probabilidade de acerto ao acaso (chute).

Testadas antes da prova, as questões ganham um peso que varia de acordo com o desempenho dos estudantes nos pré-testes — quanto mais alunos acertam uma determinada pergunta, menor o peso que ela terá na prova. Isso porque o grau de dificuldade é supostamente menor. No próximo ano, de acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação responsável pelo Enem, o candidato terá acesso a uma escala, pela qual saberá em quais áreas obteve melhor desempenho, assim como ocorre no Sistema Nacional de Avaliação da Educação Básica (Saeb), também do MEC, que mede o desempenho de estudantes do ensino fundamental e médio.

A aplicação da teoria da resposta ao item é frequente nas avaliações em testes de múltipla escolha aplicados em diversos países. No Brasil, a TRI é usada desde 1995 nas provas do Saeb. Em 2009, foi usada no Enem para garantir a comparação das notas do exame daquele ano com os seguintes.

Reconhecimento — Em nota divulgada no ano passado, a Coordenação da Organização das Nações Unidas (ONU) no Brasil ressalta: “O uso dessa metodologia apresenta amplo respaldo na literatura científica internacional (...) e tem sido utilizada em um conjunto importante de avaliações conduzidas por organismos internacionais”.

Entre as vantagens metodológicas da TRI, segundo a organização, está a possibilidade de elaboração de provas diferentes para o mesmo exame. Essas provas podem ser aplicadas em qualquer período do ano, com o mesmo grau de dificuldade, e permitem a comparabilidade no tempo.

A nota da ONU também destaca: “A TRI prioriza o uso de habilidades reflexivas e analíticas em detrimento da memorização de conteúdos, o que representa um avanço importante em relação a outros modelos de avaliação”.

Assessoria de Comunicação Social
Assunto(s): Enem , TRI
X
Fim do conteúdo da página