Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Secretaria de Educação Superior > Estudantes > Pós-graduação > Interdisciplinaridade cresce na pós-graduação brasileira
Início do conteúdo da página

Pesquisadores debatem educação do campo

Mais de 50 pesquisadores do Brasil estão participando do 1º Encontro Nacional de Pesquisa em Educação do Campo, que começou nesta segunda-feira, 19, e vai até quinta-feira, 22, no Saint Peter Hotel, em Brasília. O evento, promovido pelo Ministério da Educação, é desenvolvido em parceria com os ministérios do Desenvolvimento Agrário (MDA) e da Ciência e Tecnologia (MCT), além da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Educação (Anped).

A finalidade do encontro é reunir e debater as produções científicas sobre educação do campo para subsidiar a formulação de políticas nessa área em âmbito nacional. O secretário de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade do MEC, Ricardo Henriques, abriu o encontro e lembrou o ineditismo do ministério em organizar um espaço para integrar todos os pesquisadores de educação do campo, convergindo assim suas formulações para pensar políticas públicas, e não somente teses abstratas.

“O objetivo do MEC é revitalizar a área de pesquisa sobre o campo, que foi desmantelada ao longo dos últimos 20 anos. O ministério entende que só é possível dar um salto hoje, do ponto de vista do desenho, da formulação e implantação de programas para a educação do campo, incorporando os pesquisadores que estão há décadas neste processo, e que cada vez menos têm sido ouvidos”, declarou Ricardo Henriques.

O coordenador-geral de Educação do Campo do MEC, Antonio Munarim, comentou, dentre as ações desenvolvidas no setor, a operacionalização de dois grandes eixos para a construção de uma política nacional. “Um deles é a articulação com as secretarias estaduais de educação e, particularmente, com municípios e movimentos sociais do campo. O outro é o programa de educação de jovens e adultos (EJA), com qualificação social e profissional para o trabalho no campo da agricultura familiar.”

Pesquisas - Não há números oficiais, mas o Projeto Terra Negra, que integra o Programa Nacional de Crédito Fundiário, do MDA, estima que 22% dos agricultores familiares no Brasil têm origem africana. “Para mim, uma educação do campo tem de ter essa história afro-brasileira contemplada por excelência, como todas as outras etnias. E creio que este é um salto de qualidade grande num encontro como este”, disse Marcos Rodrigues da Silva, representante do MDA.

Segundo Silva, somente 1% das mulheres negras do campo tem algum grau de escolaridade. Entre os homens, o número não chega a 3%. Ele completou dizendo que a maioria também não possui a documentação da terra.

A professora Ivanilde Apoluceno de Oliveira, da Universidade Estadual do Pará, participa do encontro com a pesquisa Cartografias Ribeirinhas, uma radiografia de saberes e representações sobre práticas sociais do cotidiano de alfabetizandos da Amazônia.

Programação - O encontro prossegue nesta terça-feira, 20, com uma programação que inclui espaços interativos de identidades e territórios. Haverá também uma mesa-redonda de produção pedagógica dos movimentos sociais e sindicais, com Pedro Ivan Christoffoli, da Confederação Nacional das Cooperativas de Reforma Agrária no Brasil (Concrab/MST), Maria do Socorro Silva, da Universidade de Brasília (UnB) e Sônia Meire Azevedo, da Universidade Federal de Sergipe (UFS).

Repórter: Sonia Jacinto

Assunto(s): mec , notícias , jonalismo , matérias
X
Fim do conteúdo da página