Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Exame de revalidação tem 2,1 mil inscritos na edição deste ano
Início do conteúdo da página
Trilhas da Educação

Instituto Federal de Sergipe promove projeto para prevenção de acidentes com abelhas

  • Sexta-feira, 31 de janeiro de 2020, 19h12
  • Última atualização em Segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020, 21h57

SOS Abelhas une parceiros para preservar meio ambiente e diminuir ataques de enxames

Prevenção, geração de renda e preservação ambiental. É assim que se resume o projeto SOS Abelhas, criado em 2018 pelo Instituto Federal de Sergipe (IFS) em parceria com o Corpo de Bombeiros e a Federação Apícola de Sergipe. O objetivo é combater os ataques de abelhas, sem exterminá-las e, ao mesmo tempo, tirar proveito do mel como produto — estimulando a economia local.

O Brasil é o país com maior número de abelhas na América Latina. De acordo com informações do Ministério da Saúde, entre 2000 e 2017, foram registrados 138 mil casos de acidentes com abelhas no país. Em Sergipe, 80% das ocorrências com insetos estão relacionadas às abelhas africanizadas em áreas urbanas. No estado, 20% das chamadas de ocorrências atendidas pelo Corpo de Bombeiros envolvem esses pequenos insetos. Além disso, a população corria risco com os enxames em áreas urbanas.

Hoje, quando ocorrem acidentes com abelhas em Sergipe e o Corpo de Bombeiros é acionado, ao invés de matarem as abelhas, os animais são capturados e repassados aos apicultores locais. É utilizada a chamada "caixa isca". “Com esse projeto a gente espalha as caixas iscas na cidade. O número de enxames capturados é grande. Isso aumenta o número de colmeias para o apiário de cada apicultor. Aumenta também na produção da na produtividade de mel e de todos os derivados, está sendo bem interessante para a gente”, explica o apicultor Roberto Moura.incêndios e outros incidentes.

Importância da abelha – A ideia de se poupar as abelhas vem por conta da importância dos animais. Um dos coordenadores da iniciativa, o professor Wilams Gomes, que leciona a disciplina de apicultura e meliponicultura no campus do IFS, explica: “São as principais agentes polinizadoras. Mais de 70% do que a gente consome de alimentos são produtos da polinização das abelhas”.

Assessoria de Comunicação Social

X
Fim do conteúdo da página