Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Programa de livro para alfabetização estende o prazo para cadastro

    Foi prorrogado até 3 de setembro o prazo para a realização do cadastro ao Programa Nacional do Livro Didático para Educação de Jovens e Adultos (PNLD EJA). O cadastro deve ser feito por todas as redes de ensino de estados e municípios que possuem turmas de alfabetização e ensino fundamental na modalidade educação de jovens e adultos (EJA), assim como as entidades parceiras do Programa Brasil Alfabetizado.

    O PNLD EJA incorpora o Programa Nacional do Livro Didático à Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA), atualmente responsável pelo atendimento dos estados e municípios participantes do Brasil Alfabetizado e das escolas públicas com turmas de alfabetização. O novo programa amplia o atendimento, incluindo o primeiro e segundo segmentos de EJA que correspondem aos anos iniciais e finais do ensino fundamental regular.

    A iniciativa, que vai beneficiar cerca de 5,7 milhões de educandos, é da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) do MEC, em parceria com o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    O processo de adesão pode ser feito na página do PNLD na internet. Os interessados devem consultar também as orientações para adesão ao PNLD EJA 2011 na página eletrônica da Secad.

    Assessoria de Imprensa da Secad
  • Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA)

    Orientações PNLA

    Termo de Acordo PNLA

    Resolução 2009 PNLA
  • Programas do livro

    O objetivo dos programas do livro é prover as escolas das redes federal, estadual e municipal e as entidades parceiras do programa Brasil Alfabetizado com obras didáticas e paradidáticas de qualidade. As obras didáticas são distribuídas gratuitamente aos alunos de todas as séries da educação básica da rede pública e para os matriculados em classes do programa Brasil Alfabetizado.

    Também são beneficiados, por meio do programa do livro didático em Braille, os estudantes cegos ou com deficiência visual, os alunos das escolas de educação especial públicas e das instituições privadas definidas pelo censo escolar como comunitárias e filantrópicas. O Programa Nacional do Livro Didático em Braille atende alunos cegos que cursam o ensino fundamental em escolas públicas de ensino regular e escolas especializadas sem fins lucrativos.

    Cada aluno do ensino fundamental tem direito a um exemplar das disciplinas de língua portuguesa, matemática, ciências, história e geografia, que serão estudadas durante o ano letivo. Além desses livros, os estudantes do primeiro ano recebem uma cartilha de alfabetização. No ensino médio, cada estudante recebe um exemplar das disciplinas de português, matemática, história, geografia, física, biologia e química. A partir de 2011, receberá, também, um livro de inglês e um de espanhol.

    Além dos programas dos livros didáticos, o FNDE executa o Programa Nacional Biblioteca da Escola, em parceria com a Secretaria de Educação Básica do Ministério da Educação. Uma vez definidos os critérios de avaliação e atendimento, além da disponibilidade dos recursos orçamentários previstos no Plano Plurianual (PPA), dá-se início à operacionalização do programa do referido exercício.
     
  • Programas do livro didático estarão na Bienal de Brasília

    Maior comprador de livros didáticos e de literatura do País, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) vai participar da 1ª Bienal Brasil do Livro e da Leitura, que será realizada no período de 14 a 23 de abril, em Brasília. Promovida pelo Governo do Distrito Federal, o evento faz parte das comemorações do aniversário da Capital Federal, 21 de abril.

    No estande do FNDE, estarão expostas as obras que foram adquiridas recentemente e encaminhadas para escolas públicas de todo o Brasil, além das coleções especiais e livros didáticos em formatos acessíveis.

    Técnicos do FNDE também apresentarão a dinâmica dos programas do livro administrados pela autarquia: o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD), que distribui obras didáticas e manuais do professor para as redes públicas do país, e o Programa Nacional Biblioteca da Escola (PNBE), que envia acervos de livros de literatura, de pesquisa e de referência para as escolas públicas todos os anos. Além disso, no dia 19, às 10h30, haverá um debate sobre como ampliar o consumo do livro no país.

    Em sua primeira edição, a Bienal Brasil do Livro e da Leitura oferecerá intensa programação cultural nos dez dias do evento e a expectativa é de receber cerca de 500 mil pessoas. Saiba mais no sítio eletrônico da bienal.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Quem seleciona os livros que entram no Guia do Livro Didático?

    • A Secretaria de Educação Básica do MEC convida universidades públicas de notório saber na análise de livros didáticos, em cada área do conhecimento. Cabe a elas organizar equipes de pareceristas, formadas por docentes da educação básica, com qualificação mínima de mestrado, e pesquisadores e professores universitários, com comprovada experiência acadêmica, didática e pedagógica. Cada obra é avaliada por pelo menos dois pareceristas; caso não haja consenso, ela é submetida a um terceiro. Dependendo dos temas tratados e das especialidades envolvidas, o mesmo livro é submetido a outros pareceristas especialistas em outras áreas do conhecimento.
    • Nessa avaliação, além dos critérios específicos para cada área, são definidos como critérios comuns de exclusão:
    • correção de conceitos, informações e procedimentos propostos como objetos de ensino e aprendizagem;
    • coerência e adequação da abordagem teórico-metodológica assumida pela coleção, no que diz respeito à proposta didático-pedagógica explicitada;
    • adequação da estrutura editorial e do projeto gráfico aos objetivos didático-pedagógicos da coleção;
    • observância das características e finalidades específicas do manual do professor;
    • respeito a preceitos legais e jurídicos, bem como a princípios éticos necessários à construção da cidadania.
    • No escopo desses critérios comuns de exclusão é, também, fator determinante para eliminação de uma determinada obra ou coleção aquela que, nos termos do Edital:
    • veicular preconceitos de condição social, regional, étnico-racial, de gênero, de orientação sexual ou de linguagem, assim como qualquer outra forma de discriminação ou de violação de direitos;
    • fazer doutrinação religiosa ou política, desrespeitando o caráter laico e autônomo do ensino público;
    • utilizar o material escolar como veículo de publicidade ou de difusão de marcas, produtos ou serviços comerciais.
    • Além disso, é importante considerar que existem os critérios de avaliação específicos das áreas do conhecimento. Estes critérios representam o patamar de qualidade exigido das obras inscritas no PNLD.
  • Recursos de R$ 111,6 milhões são liberados para atendimento a 30 milhões de estudantes

     

    O Ministério da Educação liberou na segunda-feira, 14, recursos de R$ 111,65 milhões para o Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). O valor será repassado ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do MEC responsável por efetuar o pagamento às editoras e à Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT).

    “Os recursos serão aplicados no pagamento de 144,76 milhões de livros e obras literárias adquiridos por meio do programa e que serão distribuídos a escolas públicas de ensino fundamental e médio em 2017”, explicou o ministro da Educação, Mendonça Filho.

    A maior parte dos exemplares (137 milhões) destina-se a estudantes e escolas de zonas urbanas. Serão beneficiados 20 milhões de alunos do ensino fundamental e 6,8 milhões do ensino médio. As demais unidades (7,4 milhões) foram adquiridas para entrega nas zonas rurais e atender a 2,5 milhões de estudantes.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Redes devem aderir a programa de livros para alfabetização

    As redes de ensino de todas as unidades da Federação e municípios que possuem turmas de alfabetização e ensino fundamental na modalidade educação de jovens e adultos (EJA), assim como as entidades parceiras do Programa Brasil Alfabetizado, devem fazer a adesão ao Programa Nacional do Livro Didático para Educação de Jovens e Adultos (PNLD EJA) até 27 de agosto.

    O PNLD EJA incorpora o Programa Nacional do Livro Didático para a Alfabetização de Jovens e Adultos (PNLA), atualmente responsável pelo atendimento dos estados e municípios participantes do Brasil Alfabetizado e das escolas públicas com turmas de alfabetização. O novo programa amplia o atendimento, incluindo o primeiro e o segundo segmentos de EJA, que correspondem aos anos iniciais e finais do ensino fundamental regular.

    A iniciativa, que vai beneficiar cerca de 5,7 milhões de educandos, em 2011, é da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (Secad) e do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    O processo de escolha das obras também traz um diferencial em relação ao PNLD para o ensino regular. Os professores e gestores das escolas têm ampla participação no processo, mas a escolha será coordenada pelas secretarias municipais e estaduais de educação, que definirão as obras para todas as suas escolas.

    As turmas de alfabetização das redes de ensino e do Brasil Alfabetizado serão contempladas com livros didáticos de alfabetização de jovens, adultos e idosos que abrangem os componentes curriculares de letramento e alfabetização linguística e numeramento e alfabetização matemática.

    As redes que oferecem ensino fundamental na modalidade EJA que fizerem essa opção receberão materiais de história e geografia regionais destinados ao primeiro e segundo segmentos.

    As turmas do primeiro segmento de EJA contarão com coleções didáticas, abrangendo os componentes curriculares de alfabetização (língua portuguesa e matemática), de língua portuguesa, matemática, ciências, história, geografia e arte.

    Já o segundo segmento da modalidade de ensino será beneficiado com coleções didáticas que abrangerão os componentes curriculares de língua portuguesa, matemática, ciências, história, geografia, arte e língua estrangeira moderna (inglês ou espanhol).

    O processo de adesão pode ser feito na página do PNLD na internet. Os interessados devem consultar também as orientações para adesão ao PNLD EJA 2011 na página eletrônica da Secad.

    Juliana Meneses

    Orientações para a adesão ao PNLD EJA 2011


    Matéria republicada com alteração de informações
  • Repasse de R$ 57,9 milhões vai garantir livro didático em 2017

    O Ministério da Educação liberou em 1° de novembro R$ 57,96 milhões para pagamentos do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Os recursos serão repassados ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão responsável por efetuar o pagamento às editoras e aos Correios. Os recursos serão aplicados no pagamento de 5,59 milhões de livros didáticos e obras literárias adquiridas por meio do programa.

    O material será distribuído para escolas públicas de ensinos fundamental e médio em 2017. A maior parte das obras – 5.390 mil livros – será distribuída para estudantes e escolas na zona urbana. As demais 200 mil unidades foram adquiridas para entrega na zona rural.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Reserva técnica e conservação garantem obras para escolas

    Uma boa gestão dos livros garante os exemplares para os anos seguintes (Foto: Fabiana Carvalho) Em 2012, as escolas públicas receberam 162,4 milhões de livros didáticos, que serão distribuídos para alunos do ensino médio e das séries finais do ensino fundamental. O Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) baseia nas últimas duas edições do censo escolar a quantidade de livros que deve ser comprada. “É feita uma estimativa com projeção para o ano em que os livros serão entregues para que nenhum aluno fique sem exemplar”, explica Sonia Schwartz, coordenadora-geral do programa do livro didático do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).

    Uma reserva técnica, da ordem de 3% do total de livros, é enviada para as secretarias municipais de educação, nas capitais, e para as secretarias estaduais de educação. “Mesmo se uma escola nova for aberta, há livros reservas que deverão ser remanejados pela secretaria de educação para que os alunos possam estudar”, esclarece a coordenadora. Mas é importante que a escola tenha controle da entrega no início do ano e da devolução no final do ano, porque a maioria dos livros não é consumível, ou seja, tem durabilidade de três anos.

    Nos dois anos subsequentes à entrega de livros, as escolas públicas recebem complementação para a reposição natural de livros inutilizados ou perdidos. Essa taxa de reposição é variável. O Norte e Nordeste são as regiões que registram as maiores perdas – recebem 20% do volume de livros entregues no segundo e terceiro ano. No Sudeste e Centro-Oeste, a taxa de reposição é de 15% e na Região Sul, de 10%. “Mas se a gestão da devolução dos livros didáticos não for bem feita, faltarão livros para o ano letivo seguinte”, ressalta Sonia.

    Conservação– No ano passado, o FNDE promoveu pela primeira vez um concurso para premiar escolas com ações inovadoras na gestão do livro didático, para as etapas de remanejamento, conservação e devolução. A vencedora, em nível nacional, foi a Escola Estadual Geraldo Melo dos Santos, de Maceió, que conseguiu aumentar de 60% em 2009 para 80% em 2010 a porcentagem de livros devolvidos com capa e bom estado de conservação.

    A escola promoveu uma semana pedagógica com a participação de pais, alunos, professores, funcionários e voluntários da comunidade para atividades relacionadas à conservação do livro didático – desde pesquisa sobre a importância de conservar o livro, até encapar os exemplares e realização de peça teatral na escola sobre o assunto.

    O PNLD é executado em ciclos trienais alternados. Assim, a cada ano o FNDE adquire e distribui livros para todos os alunos de um segmento. Para 2013, serão atendidos os alunos da educação infantil e dos anos iniciais do ensino fundamental. No entanto, em casos em que houver necessidade de reposição adicional, as escolas devem entrar em contato com a rede de ensino (secretaria municipal ou estadual de educação) que, por sua vez, recorrerá ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).  Essa solicitação deverá ser formalizada até 31 de março com justificativa para a aquisição complementar. O formulário estará disponível na página do FNDE na internet.

    A compra dos livros didáticos para o ano letivo de 2012 ficou em R$ 1,1 bilhão. O Programa Nacional do Livro Didático atende também alunos da Educação de Jovens e Adultos das redes públicas de ensino e das entidades parceiras do Programa Brasil Alfabetizado. Os professores escolhem democraticamente, entre os livros do Guia do PNLD, os que estão mais de acordo com a proposta pedagógica da escola.

    Rovênia Amorim


    Ouça entrevista com Sonia Schwartz, coordenadora geral do programa do livro didático do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE)

  • Secretarias e escolas devem fazer a adesão até o dia 30

    Secretarias estaduais e municipais de educação e instituições federais que oferecem ensino médio têm até o dia 30próximo para fazer a adesão ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Aquelas que não enviarem o termo de adesão, assinado, ao Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) ficarão sem os livros em 2011.

    Este ano, foi adotada nova regra para garantir melhor controle na distribuição das obras às escolas. Das 5.823 redes de ensino, 4.960 já fizeram a adesão. Faltam apenas 863 (14% do total).

    Do próximo dia 21 até 4 de julho, professores e diretores de escolas públicas devem fazer a escolha dos livros a serem usados em 2011. A indicação envolverá as disciplinas de português, matemática, história, geografia, ciências e língua estrangeira (inglês e espanhol), do sexto ao nono ano do ensino fundamental.

    O Guia do Livro Didático, disponível na página eletrônica do FNDE, contém um resumo das obras avaliadas e selecionadas pela Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação.

    Assessoria de Comunicação Social do FNDE
  • Seleção de obras para 2014 incluirá conteúdos digitais

    Estará aberto de 9 de dezembro próximo a 1º de maio de 2012 o período de pré-inscrição de obras didáticas para os anos finais do ensino fundamental referentes ao Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) para 2014. A entrega dos exemplares para avaliação está prevista para o período de 7 a 11 de maio de 2012.

    Os editores podem apresentar objetos educacionais digitais complementares aos livros impressos. Em caso de aprovação, esse novo material será enviado aos alunos com as obras impressas. “O conteúdo multimídia oferece novas possibilidades de trabalho aos professores e de aprendizado aos alunos”, afirma o diretor de ações educacionais do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), Rafael Torino.

    Serão selecionados livros de língua portuguesa, matemática, ciências, geografia, história e língua estrangeira moderna (inglês ou espanhol), para estudantes do sexto ao nono ano do ensino fundamental.

    Como estabelece o edital do FNDE, os livros inscritos passarão por uma seleção. As obras aprovadas integrarão o Guia do Livro Didático 2014, que conterá resumo de cada uma para permitir a professores e diretores a indicação daquelas mais adequados ao processo pedagógico. O edital foi publicado no Diário Oficial da União de segunda-feira, 7, seção 3, página 50.

    O cadastramento das obras pelos detentores de direitos autorais deve ser feito na página do FNDE na internet.

    Assessoria de Imprensa do FNDE
  • Seminário auxilia gestores na escolha das publicações

    Começa nesta segunda-feira, 10, o seminário do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) das regiões Norte e Centro-Oeste. Os encontros serão realizados até quarta-feira, 12, em Brasília. Participam professores, diretores de escolas e funcionários responsáveis pelo programa nos estados e municípios.

    O seminário tem o objetivo de apresentar e discutir os princípios didático-pedagógicos que norteiam os programas do livro do Ministério da Educação. Também será abordado o processo de escolha das coleções didáticas destinadas aos alunos do sexto ao nono ano do ensino fundamental, a ser feita pelos professores das escolas da rede pública. As secretarias de educação têm até o fim do mês para aderir ao PNLD de 2011.

    Ainda este mês, ocorrerão outros dois encontros para debater o programa. No Nordeste, dias 17 a 19; no Sul, dias 24 a 26. O primeiro seminário ocorreu no Rio de Janeiro, em abril, para os educadores da região Sudeste.

    Assessoria de Comunicação Social
  • Seminário discute os critérios de avaliação das obras inscritas

    A Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação promove a partir desta quarta-feira, 21, até sexta-feira, 23, em Brasília, o seminário Programa Nacional do Livro Didático (PNLD 2015). O encontro, que reúne coordenadores de ensino médio e os responsáveis pelo programa nos estados e municípios, representantes da União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação (Undime) e do Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), será transmitido em tempo real pela internet.

    No seminário, serão apresentados e discutidos os princípios didático-pedagógicos que nortearam a avaliação das obras inscritas no PNLD 2015 e o processo de escolha dessas obras, destinadas a alunos do primeiro ao terceiro ano do ensino médio, pelos professores das escolas que compõem a rede pública de ensino do país.

    O encontro atende à demanda dos responsáveis pelo PNLD nos estados e municípios acerca dos critérios de avaliação didático-pedagógica das obras constantes do Guia de Livros Didáticos enviado às escolas, e disponível na internet, como subsídio ao processo de escolha.

    Programa — O PNLD tem por objetivo prover as escolas públicas de ensino fundamental e médio com livros didáticos e acervos de obras literárias, obras complementares e dicionários. Um edital especifica todos os critérios para inscrição das obras. Os títulos inscritos pelas editoras são avaliados pelo MEC, que elabora o Guia de Livros Didáticos, composto das resenhas de cada obra aprovada.

    Cada escola escolhe democraticamente os livros que pretende usar, levando em consideração o planejamento pedagógico. Para garantir o atendimento a todos os alunos, são distribuídas também versões acessíveis (áudio, braile e mecdaisy) dos livros aprovados e escolhidos no âmbito do PNLD.

    Assessoria de Comunicação Social

    Acompanhe o seminário Programa Nacional do Livro Didático (PNLD) 2015, em tempo real: nesta quarta-feira, 21, das 19h30 às 21h30; na quinta, 22, das 8 horas às 18h40; na sexta-feira, 23, das 8h20 às 11h20

  • Seminários Regionais

    Programa Nacional do Livro Didático - PNLD 2015 - Ensino Médio

    Em maio deste ano, foi realizado, em Brasília, o Seminário PNLD 2015 com a participação de representantes das Secretarias Estaduais e Municipais de Educação, com o objetivo de discutir os princípios didático-pedagógicos que nortearam a avaliação pedagógica dos livros didáticos inscritos no PNLD 2015 – Ensino Médio,  e apresentar subsídios com vista a auxiliar  os professores no processo de escolha dos livros didáticos que estarão nas escolas públicas de ensino médio em 2015.


    Apresentações:

    Palestra de Abertura
    Livro Digital Matemática
    Matemática
    História
    Filosofia
    Geografia
    Sociologia
    Artes
    Língua Estrangeira
    Língua Portuguesa
    Biologia
    Física
    Química
    Palestra FNDE

     

    Programa Nacional do Livro Didático - PNLD 2014

    Entre o período de 15/5 a 5/6/2013 acontecem Seminários Regionais referentes ao Programa Nacional do Livro Didático/PNLD 2014 que visam à apresentação e discussão relativas aos princípios didático-pedagógicos que norteiam os Programas do Livro do Ministério da Educação e ao processo de escolha das coleções didáticas destinadas aos alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental, pelos professores das escolas que compõem a rede pública de ensino do país.

    Apresentações: Primeiro dia / Segundo dia / Terceiro dia

    Período de escolha 2 a 12/8/2013

    Programa Nacional do Livro Didático - PNLD 2012/Ensino Médio - 18/05/2011


    Entre 2009 e 2010, foram promovidos seminários regionais com o objetivo de discutir, com as secretarias municipais e estaduais de educação, os princípios didático-pedagógicos que norteiam os programas do livro desenvolvidos pelo ministério e promover o debate sobre os processos que orientam a escolha dos livros didáticos distribuídos pelo PNLD.

    Em 2011, para auxiliar na escolha do livro didático do ensino médio, foram realizadas videoconferências.

    Bloco 1 / Bloco 2 / Bloco 3 / Bloco 4 / Bloco 5 / Bloco 6 / Bloco 7 / Bloco 8

     

  • Seminários regionais reunirão gestores para orientar escolha

    Professores dos anos iniciais do ensino fundamental terão de escolher, este ano, os livros didáticos a serem usados nas escolas públicas em 2010, por meio do Programa Nacional do Livro Didático (PNLD). Para orientar a escolha, técnicos do Ministério da Educação realizarão seminários regionais, reunindo secretarias estaduais e municipais de educação, até o início de junho.

    A primeira reunião será em Recife, para gestores da região Nordeste, a partir da próxima segunda-feira, 11, até quarta, 13. Na semana seguinte, de 18 a 20, o seminário ocorrerá em Porto Alegre, para os gestores do Sul. De 25 a 27, é a vez do Sudeste receber a visita dos técnicos, em Belo Horizonte. O último encontro será de 1º a 3 de junho, em Brasília, para as regiões Norte e Centro-Oeste.

    A Secretaria de Educação Básica (SEB) espera um público de cerca de mil gestores, no total. Entre os assuntos abordados nas reuniões estarão o livro didático no contexto do ensino fundamental de nove anos, os acervos complementares do PNLD e os aspectos operacionais para a escolha do livro didático. Os participantes também se reunirão em oficinas e grupos de trabalho.

    De acordo com Marcelo Soares, diretor de políticas de formação, materiais didáticos e tecnologia para educação básica da SEB, o tema do ensino fundamental de nove anos, obrigatório a partir de 2010, será muito abordado durante os encontros. “A entrada de crianças mais novas no ensino fundamental implica mudanças nas características do conteúdo para os anos iniciais”, explica.

    Segundo Soares, os livros para o primeiro e segundo anos dessa etapa passam a focar no processo de alfabetização e letramento, enquanto os dos terceiro, quarto e quinto anos trabalham a consolidação desse processo e introduzem novos campos conceituais.

    Os técnicos das secretarias de educação que comparecerem aos seminários repassarão as orientações dadas durante os encontros aos professores da educação básica. Os educadores têm os meses de maio e junho para fazer a escolha dos livros didáticos, que chegarão às escolas no início do ano que vem.

    Letícia Tancredi

    Inscreva-se no seminário de sua região
  • Último dia para escolas definirem livros didáticos de 2020 para 6º e 9º anos

    O prazo final para diretores de escolas públicas com turmas do 6º ao 9º ano do ensino fundamental indicarem quais livros didáticos serão usados nos próximos quatro anos foi prorrogado até esta terça-feira, 17 de setembro — um dia a mais do previsto. A escolha faz parte do Programa Nacional do Livro e do Material Didático (PNLD).

    O processo de escolha da coleção envolve duas etapas: a análise do material, aprovado pelo Ministério da Educação (MEC) e disponível no Guia do PNLD, e o registro das coleções selecionadas pelo corpo docente de cada escola. Os livros são das áreas de Português, Matemática, Inglês, Ciências, História, Geografia, Artes e Educação Física.

    A indicação das obras é feita pela internet, por meio do Sistema PDDE Interativo/SIMEC. Somente o diretor da escola, por meio de sua senha, tem acesso à ferramenta. Entretanto, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) — responsável pela impressão e distribuição dos livros — estimula que toda escola esteja envolvida no processo.

    “É muito importante que o corpo docente se mobilize e faça uma reflexão coletiva, com participação democrática e autônoma. Assim, teremos boas escolhas e obras direcionadas para atender os estudantes”, diz a diretora de Ações Educacionais do FNDE, Karine Santos.

    Após o registro, inicia o processo de impressão e distribuição dos materiais pelo Brasil. Em 2020, será a vez do ciclo do ensino médio — seleção das obras que começam a ser utilizadas em 2021.

    Guia do PNLD – Para ajudar na escolha, o FNDE publicou o Guia do Livro Didático 2020. A publicação contém resenhas e informações das coleções aprovadas para o PNLD.

    Passo a passo – O manuseio do Sistema PDDE Interativo é bastante simples e intuitivo, mas para facilitar o acesso e tirar dúvidas, o FNDE fez um Passo a Passo.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações do FNDE

  • Videoconferências vão orientar escolha das obras para 2012

     Estudantes do ensino médio: livros para triênio 2012-2015 serão escolhidos até 12 de julho (foto: João Bittar)A Secretaria de Educação Básica (SEB) do Ministério da Educação realizará videoconferências, na terça-feira, 17, e na quarta, 18, para apresentar a professores e técnicos das secretarias estaduais de educação os critérios didático-pedagógicos que nortearam o processo de avaliação das obras para o ensino médio inscritas no Plano Nacional do Livro Didático (PNLD) de 2012. As conferências, que irão ao ar às 14h, orientarão os participantes na escolha dos livros didáticos para o triênio 2012-2015.

    O período de indicação das obras para o ensino médio será aberto no dia 23 e se estenderá até 12 de junho, em todas as escolas públicas de ensino médio. Pela primeira vez, o MEC oferece coleções que contemplam todos os componentes curriculares. No primeiro dia de videoconferências, serão apresentadas as coleções de matemática, biologia, química, física e língua estrangeira moderna (inglês e espanhol); no segundo, língua portuguesa, história, geografia, sociologia e filosofia.

    O Guia do Livro Didático de 2012 contém o resumo das obras selecionadas pelo MEC. Com o guia, professores e diretores podem indicar os títulos mais adequados ao sistema pedagógico. As dúvidas serão tiradas nas videoconferências, acessíveis aos interessados também pelo sistema de webconferência.

    Na seleção e distribuição dos livros didáticos, o MEC abre edital de convocação de editoras. Elas apresentam os livros, que passam por avaliação quanto à proposta pedagógica e à linha de pesquisa dos autores. As obras aprovadas são apresentadas às escolas pelo Guia do Livro Didático. Escolhidas as coleções para cada disciplina, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) negocia os preços com as editoras e, por meio de contrato com os Correios, faz a distribuição. Os livros devem chegar às escolas antes do início do ano letivo.

    Diego Rocha
Fim do conteúdo da página