Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Todas as notícias > Tema da redação do Enem 2019 é "Democratização do acesso ao cinema no Brasil"
Início do conteúdo da página
  • Termina nesta terça-feira, 3, às 23h59, o prazo para inscrição on-line de candidatos às bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (ProUni) do Ministério da Educação. Podem concorrer estudantes já matriculados em curso de instituição particular de educação superior participante do programa. As vagas, portanto, destinam-se àqueles que já estão na universidade e pretendem obter bolsa de estudos.

    Para concorrer, o estudante deve preencher requisitos estabelecidos pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005, e atender a uma das condições:

    • Ter efetuado inscrição, em todas as opções, em cursos com registro de não formação de turma no processo seletivo regular do ProUni.
    • Ser professor da rede pública, no efetivo exercício do magistério da educação básica, e integrar o quadro de pessoal permanente da instituição.
    • Ter participado do Enem, a partir da edição de 2010, e obtido, em uma mesma edição, no mínimo 450 pontos na média das notas das provas e nota na redação que não tenha sido zero.

    As inscrições devem ser feitas na página do  ProUni na internet.

    Assessoria de Comunicação Social

    Confira a Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005


  • Os candidatos a bolsas de estudo selecionados na lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) têm esta terça-feira, 29, e a quarta, 30, para apresentar a documentação à instituição particular de educação superior responsável pela seleção. Cabe ao estudante convocado, a partir de agora, proceder à matrícula diretamente com as instituições de ensino.

    Participaram da lista de espera os candidatos não selecionados nas chamadas regulares, os pré-selecionados pela segunda opção de curso e aqueles que não foram chamados por não formação de turma.

    O ProUni oferece bolsas de estudos integrais e parciais (50% da mensalidade) em instituições particulares de educação superior com cursos de graduação e sequenciais de formação específica. Os candidatos precisam comprovar renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio para a bolsa integral; para a parcial, renda familiar, por pessoa, de até três salários mínimos.

    Professores dos quadros permanentes das redes públicas estaduais e municipais, em efetivo exercício do magistério, que concorram a bolsas em cursos de licenciatura, pedagogia ou normal superior estão dispensados de comprovar renda.

    Criado em 2004 pelo governo federal, o programa é dirigido a estudantes egressos do ensino médio da rede pública ou da rede particular, na condição de bolsistas integrais.

    Na segunda edição de 2014, o ProUni oferece 115.101 bolsas em 22.139 cursos de 943 instituições.

    Assessoria de Comunicação Social


  • A partir de zero hora desta terça-feira, 26, os estudantes interessados em participar do segundo processo seletivo de 2018 do Programa Universidade para Todos (ProUni) podem fazer a sua inscrição. Serão ofertadas 174.289 vagas, sendo 68.884 integrais e 105.405 parciais, em 1.460 instituições de ensino superior. As inscrições deverão ser realizadas apenas pela página do ProUni na internet, até as 23 horas e 59 minutos do dia 29.

    Para se candidatar, é necessário ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2017, ter alcançado no mínimo 450 pontos de média e ter tido nota superior a zero na redação. Importante lembrar que as notas de outras edições do Enem não valem para pleitear uma bolsa.

    Além disso, só podem participar estudantes brasileiros que não possuem curso superior e que tenham cursado o ensino médio completo na rede pública ou como bolsista integral na rede privada. Alunos que fizeram parte do ensino médio na rede pública e a outra parte na rede privada na condição de bolsista, ou que sejam deficientes físicos, ou professores da rede pública também podem solicitar bolsas.

    Para ter direito a uma bolsa integral o candidato deve ter uma renda familiar per capita de até um salário mínimo e meio. As bolsas parciais de 50% são destinadas aos alunos que têm uma renda familiar per capita de até três salários mínimos. Quem conseguir uma bolsa parcial, e não tiver condições financeiras de arcar com a outra metade do valor da mensalidade, pode utilizar o Fundo de Financiamento Estudantil (Fies).

    Os resultados com a lista dos candidatos pré-selecionados estarão disponíveis na página do ProUni na internet, a partir do dia 2 de julho para a primeira chamada e 16 de julho para a segunda.

    ProUni – O ProUni é um programa do Ministério da Educação que concede bolsas integrais e parciais de 50% em cursos de graduação e sequenciais de formação específica em instituições de educação superior privadas. As instituições que participam do programa têm isenção de alguns tributos.

    Na primeira edição do ProUni deste ano, foram ofertadas aproximadamente 243 mil bolsas, sendo 113.863 integrais e 129.124, parciais. Desde que foi criado, em 2004, o ProUni já atendeu 2,5 milhões de estudantes, sendo que 70 % com bolsas integrais. 

    Acesse a página do ProUni 

    Assessoria de Comunicação Social

     

  • R$ 178,7 milhões serão investidos na inciativa de 2020 a 2021


    Até 2022, estudantes brasileiros poderão contar com 1,5 mil bolsas em universidades francesas. As oportunidades são resultado da parceria entre a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) e a França no Programa de Cooperação Brasil-France Ingénieur Technologie (Brafitec). Os investimentos no projeto somarão R$ 178,7 milhões ao longo de três anos.

    A cooperação entre os países promove o intercâmbio de estudantes de cursos de graduação em engenharia. São 56 universidades brasileiras e 30 instituições francesas envolvidas na troca de conhecimento.

    O anúncio das novas bolsas foi realizado pelo presidente da Capes, Anderson Correia, durante visita de acompanhamento ao programa na Universidade de Lille, no norte da França, nesta semana. Na ocasião, Correia, reforçou o interesse da Capes na continuidade da parceria internacional entre os dois países.

    Neste ano, o programa terá 61 projetos ativos e deverá enviar cerca de 500 bolsistas à França. “É um investimento que insere o Brasil na pesquisa de ponta mundial, abre espaço para que os estudantes brasileiros troquem experiência com o que está sendo produzido nas melhores universidade da França e vice-versa”, afirma o presidente da Capes, que reforçou o interesse do Brasil no recebimento de acadêmicos franceses.

    O Brafitec existe há 18 anos e apoia projetos conjuntos de pesquisa em parcerias universitárias em todas as especialidades de engenharia. O programa já enviou 6.550 bolsistas brasileiros ao exterior e recebeu cerca de 1.500 bolsistas franceses nas universidades brasileiras.

    A cooperação estimula o intercâmbio na graduação, em ambos os países, e realiza a aproximação das estruturas curriculares, inclusive a equivalência e o reconhecimento de créditos. Já foram realizadas mais de 2 mil missões de trabalho.

    Nesta semana, a Capes e três instituições brasileiras integrantes do Programa Institucional de Internacionalização (CAPES/PrInt) estiveram em uma missão oficial de trabalho na França. O objetivo é elaborar um plano de trabalho associado às instituições francesas Centrale Supelec e Centrale Lille por meio do Programa Brafitec.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes


  • O prazo para que os estudantes manifestem interesse na lista de espera do Programa Universidade para Todos (ProUni) começa nesta sexta-feira, 16, e segue até o próximo dia 19.  A lista, a ser utilizada pelas instituições de ensino superior na convocação para preenchimento de bolsas não ocupadas, contempla os candidatos que não foram pré-selecionados na primeira chamada.

    A participação do estudante se dará mediante confirmação do interesse na bolsa na página do ProUni, e a relação de candidaturas ficará disponível a partir do dia 20 de março. Todos os participantes da lista de espera deverão comparecer às respectivas instituições escolhidas, entre 21 e 22 de março deste ano, para apresentar a documentação necessária à comprovação das informações prestadas durante o ato de inscrição.

    O ProUni é o programa do governo federal que oferece bolsas de estudo integrais e parciais (50%) em cursos de graduação de instituições privadas de educação superior. Destina-se a brasileiros sem diploma de curso superior que tenham participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) no ano anterior e obtido nota superior a 450 pontos, além de redação pontuada acima de zero. É necessário, ainda, ter cursado o ensino médio completo em escola pública ou instituição privada desde que com bolsa integral.

    Nesta edição, o MEC ofertou 243 mil bolsas, das quais 113.863 são integrais e 129.124, parciais. As integrais foram criadas para estudantes com renda per capita de até 1,5 salários mínimos, enquanto as bolsas parciais se destinam àqueles com renda familiar per capita de até três salários mínimos.

    Acesse a página do ProUni para confirmar o interesse na bolsa de estudos.  

    Assessoria de Comunicação Social

  • Está aberta a consulta às bolsas oferecidas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) para o segundo semestre de 2017. Ao todo, serão ofertadas 147.492 bolsas em 1.076 instituições privadas de educação superior. As inscrições abrirão nesta terça-feira, 6.

    O maior número de vagas está concentrado no estado de São Paulo, onde são ofertadas 35.047 bolsas. Em seguida, vêm Minas Gerais (16.610) e Paraná (11.590). Já em relação aos cursos, a maior quantidade de bolsas oferecidas está nos cursos de engenharia (16.314), administração (14.273), pedagogia (10.191) e direito (8.606). Para medicina, há 658 vagas disponíveis.

    As inscrições ao ProUni seguem abertas até o dia 9 de junho. Do total de bolsas oferecidas, 67.603 são integrais e 79.889, parciais. A oferta de vagas neste processo seletivo representa um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano passado.

    O candidato pode visualizar as vagas disponíveis por meio da página eletrônica do ProUni.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Já está disponível, na internet, a consulta pública às bolsas da primeira edição de 2015 do Programa Universidade para Todos (ProUni). Serão ofertadas 213.113 bolsas, sendo 135.616 integrais e 77.497 parciais. Houve um crescimento de 11% em comparação ao processo do primeiro semestre de 2014, em que foram ofertadas 191.625 bolsas.

    Na primeira edição de 2015 do ProUni, os candidatos poderão concorrer a bolsas em 30.549 cursos, em 1.117 instituições de ensino superior privadas. As inscrições serão abertas na segunda-feira, 26. O prazo vai até as 23h59 do dia 29.


    Número de bolsas por região

    Bolsas ofertadas por região

    Região

    Nº bolsas

    % bolsas

    Norte

    13.034

    6%

    Nordeste

    30.582

    14%

    Sudeste

    101.359

    48%

    Sul

    46.152

    22%

    Centro-Oeste

    21.986

    10%

    Total

    213.113

    100%


    Número de bolsas por curso – 10 maiores

    Curso

    Total

    Administração

    22.050

    Pedagogia

    15.562

    Direito

    15.010

    Ciências contábeis

    11.917

    Engenharia civil

    8.405

    Educação física

    8.181

    Gestão de recursos humanos

    6.854

    Enfermagem

    6.801

    Psicologia

    5.307

    Engenharia de produção

    5.284


    Houve aumento de 14% na oferta de bolsas no curso de medicina. Na primeira edição de 2015 do ProUni, serão ofertadas 788 bolsas para medicina, enquanto 693 bolsas foram ofertadas no primeiro processo seletivo de 2014.

    Os cursos de engenharia também tiveram ampliação na oferta de vagas de um ano para o outro, ao passar de 19.837 bolsas em 2014 para 26.051 em 2015.

    Inscrição – Para se inscrever na primeira edição de 2015 do ProUni é preciso ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2014 e ter obtido, no mínimo, 450 pontos na média das notas do exame. É preciso, ainda, ter obtido nota acima de zero na redação. Para efetuar a inscrição, o candidato deve informar seu número de inscrição e sua senha no Enem 2014.

    Assessoria de Comunicação Social

    Consulte o site do Prouni

    Consulte o número de bolsas ofertadas por unidade da Federação

  • As inscrições de candidatos a bolsas remanescentes do Programa Universidade para Todos (ProUni) estão abertas. O processo de preenchimento dessas bolsas teve as regras alteradas a partir desta primeira edição de 2014. Com as mudanças, o estudante pode fazer a inscrição on-line, na página do ProUni, a partir desta segunda-feira, 10. Nos anos anteriores, as vagas eram ocupadas por meio de processo seletivo realizado pelas próprias instituições.

    Para concorrer às bolsas remanescentes, o estudante deve cumprir os requisitos estabelecidos pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005, e atender a uma das condições:

    • Ter efetuado inscrição, em todas as suas opções, em cursos com registro de não formação de turma no processo seletivo regular do ProUni.
    • Ser professor da rede pública, no efetivo exercício do magistério da educação básica e integrar o quadro de pessoal permanente da instituição pública. O professor que se inscrever para bolsas em cursos de grau de licenciatura não precisa comprovar renda nem ter feito o ensino médio em escola pública ou ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).

    Os candidatos que atendem esses requisitos podem fazer inscrição no sistema a partir de segunda-feira, 10.

    O terceiro critério a ser atendido pelos candidatos às bolsas é ter participado do Enem a partir da edição de 2010 e obtido, em uma mesma edição, no mínimo 450 pontos na média das notas das provas e nota na redação que não tenha sido zero. Nesse caso, as inscrições estarão abertas na quarta-feira, 12.

    Todos os candidatos terão dois dias úteis, subsequentes ao da inscrição, para comprovar as informações na instituição de ensino na qual pretende ingressar. A instituição terá o dia útil seguinte ao final do prazo de comparecimento do candidato para registrar o resultado da comprovação das informações no Sistema Informatizado do ProUni (SisproUni). Caso o estudante não compareça ou a instituição não registre o preenchimento da bolsa, a mesma volta a ser oferecida pelo sistema.

    As inscrições devem ser feitas na página do ProUni na internet. As novas regras para ocupação das vagas remanescentes constam do Edital nº 6/2014 da Secretaria de Educação (Sesu) do Ministério da Educação, publicado no Diário Oficial da União de 28 de fevereiro último.

    Confira a Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005

    Assessoria de Comunicação Social


  • Neste processo seletivo, são oferecidas 147.492 bolsas em 1.076 instituições privadas de educação superior (Foto: Mariana Leal/MEC)Têm início nesta terça-feira, 6, as inscrições para a segunda edição de 2017 do Programa Universidade para Todos (ProUni), que vai oferecer um total de 147.492 bolsas em 1.076 instituições privadas de educação superior. O prazo estará aberto até esta sexta-feira, 9. Do total de bolsas oferecidas, 67.603 são integrais e 79.889, parciais.

    Podem concorrer às bolsas do ProUni estudantes brasileiros que tenham feito o Enem 2016, obtido mínimo de 450 pontos na média de notas do exame e não tenham zerado a redação. Os candidatos que pleitearem bolsas integrais devem ter renda familiar bruta mensal per capita de, no máximo, um salário mínimo e meio. No caso da bolsa parcial, a renda familiar não pode ser maior que três salários mínimos.

    É necessário, ainda, que o participante tenha concluído o ensino médio na rede pública ou na rede particular com bolsa integral. Não será aceita inscrição de que já possua diploma de curso superior. Há vagas destinadas a pessoas com deficiência e a professores da rede pública de educação básica. No caso dos professores, a concorrência é restrita aos cursos de licenciatura, e não há necessidade de cumprir o requisito da renda.

    Bolsas – A oferta total de vagas nesta edição do ProUni representa um aumento de 17% em relação ao mesmo período do ano passado. O estado de São Paulo lidera no número de bolsas ofertadas (35.047), seguido de Minas Gerais (16.610) e Paraná (11.590). A maior quantidade de bolsas oferecidas está concentrada nos cursos de engenharia (16.314), administração (14.273), pedagogia (10.191) e direito (8.606). Para medicina, há 658 vagas disponíveis.

    De acordo com o diretor de Políticas e Programas de Educação Superior do Ministério da Educação, Vicente de Paula Júnior, o aumento na oferta de bolsas representa um maior interesse por parte das instituições no programa. “Estamos encerrando um ciclo de inscrições de estudantes que pretendem ingressar na educação superior. Para os que, por ventura, não conseguiram em outros processos, o ProUni é uma excelente oportunidade”, afirma.

    Cronograma – O resultado da primeira chamada será divulgado no próximo dia 12 e os aprovados têm até o dia 19 de junho para levar a documentação requerida na instituição em que foi selecionado para comprovar as informações prestadas no ato da inscrição. O resultado da segunda chamada está previsto para o dia 26 de junho, com prazo de 26 a 30 de junho para os estudantes comprovarem as informações.

    Aqueles que não forem selecionados na primeira e segunda chamadas poderão participar da lista de espera, entre os dias 7 e 10 de julho. Os selecionados nesta etapa deverão levar a documentação nas instituições nos dias 17 e 18 de junho. Todos os cursos terão início no segundo semestre deste ano.

    As inscrições para o processo seletivo do segundo semestre do ProUni devem ser feitas na página eletrônica do programa.

    Assessoria de Comunicação Social 

  • Instituições de ensino superior públicas ou privadas que desenvolvam política de pesquisa científica institucionalizada têm até 10 de abril para submeter suas propostas ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), órgão vinculado ao Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTI). A chamada vale também para os centros de pesquisa.

    O período de submissão de propostas é referente às cotas dos programas de iniciação científica e tecnológica, como Pibic (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica), Pibiti (Programa Institucional de Bolsas em Desenvolvimento Tecnológico e Educação), Pibic-Af (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica nas Ações Afirmativas) e Pibic-EM (Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica no Ensino Médio).  

    A edição 2018-2020 das chamadas públicas distribuirá cotas em dois ciclos de 12 meses. O primeiro começa em 1º de agosto deste ano; o segundo, em 1º de agosto de 2019. A divulgação dos resultados estará disponível na página do CNPq na internet a partir de junho de 2018.

     O formulário eletrônico para inscrição nas Chamadas de ICT está disponível na Plataforma Carlos Chagas e deverá ser submetido somente pelo representante institucional de iniciação científica indicado pelo titular (gestor institucional, dirigente máximo da instituição) ao Diretório de Instituições do CNPq.

    Cabe a esse representante, antes de submeter a proposta, atualizar o currículo na base Lattes, bem como os dados da instituição no Diretório de Instituições, e preparar o relatório institucional da edição 2016-2018. Os relatórios institucionais deverão, ainda, anexar à proposta formulário segundo o modelo referente a cada modalidade

    Programas – O Pibic foi o primeiro programa institucional criado para a iniciação científica. Concede bolsas de iniciação científica a estudantes de graduação que queiram participar de um projeto de pesquisa, assim como estudantes de ensino médio, e tem como objetivo contribuir tanto na formação de recursos humanos para a pesquisa quanto na redução do tempo médio de permanência dos alunos na pós-graduação, possibilitando o acesso e a integração do estudante à cultura científica.

    O Pibiti é voltado à iniciação tecnológica e de inovação de estudantes de graduação. O programa concede bolsas de iniciação científica às instituições que desenvolvem pesquisa em tecnologia e inovação por meio de chamada pública de propostas. A seleção dos projetos é feita pelas instituições.

    Resultado de uma parceria entre o CNPq e a Secretaria de Promoção de Políticas de Igualdade Racial (Seppir), o Pibic-Af concede bolsas diretamente às instituições públicas participantes do Pibic que tenham implementado ações afirmativas para o ingresso na educação superior. Somente poderão ser indicados os estudantes que sejam beneficiários de ações afirmativas.

    O Pibic-EM, voltado aos estudantes do ensino médio, concede bolsas diretamente às instituições.  Somente poderão ser beneficiários os estudantes que estiverem cursando o ensino público.

    Para todos os programas, caberá às instituições selecionar os projetos a serem inscritos.

    Clique aqui para acessar a Plataforma Carlos Chagas.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações do CNPq.

  • O programa Ciência sem Fronteiras do Ministério da Educação vai ampliar a oferta de bolsas para brasileiros interessados em estudar na França. Agora, serão aceitos alunos de pós-graduação, além daqueles de graduação. Parceiros de longa data, os dois países assinam em Paris nesta terça-feira, 11, às 15h30, de Brasília (18h30 na capital francesa), memorando de entendimento entre os ministérios brasileiros da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação com o Ministério do Ensino Superior e da Pesquisa da República da França. O acordo será firmado durante a viagem oficial da presidenta da República, Dilma Rousseff, acompanhada, entre outros, do ministro da Educação, Aloizio Mercante.

    O documento propõe que nos próximos três anos a França receba dois mil bolsistas brasileiros, de doutorado e pós-doutorado, nas modalidades doutorado-sanduíche, doutorado pleno e estágio pós-doutoral. As condições de envio e recepção dos bolsistas serão formuladas pelas agências de cooperação dos respectivos países.  

    O objetivo desse novo acordo é fortalecer as relações bilaterais no contexto de pesquisa científica, considerada a reconhecida excelência das universidades francesas, particularmente nas áreas de ciências básicas e engenharias.

    Parceria– Os governos brasileiro e francês vêm tecendo um trabalho de cooperação forte e positivo ao longo das últimas décadas. A parceria mais antiga da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) do MEC com a França data da década de 70. Atualmente, a Capes mantém oito programas de cooperação internacional com a França.

    Em 2011, os ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação do Brasil já tinham firmado com o Ministério das Relações Exteriores da França acordo relativo à recepção de bolsistas brasileiros naquele país, na área de graduação. Ao lado dos Estados Unidos, a França é o país com maior número de bolsistas brasileiros.

    Assessoria de Comunicação Social
  • O candidato que tenha ficado fora das duas convocações já realizadas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) do Ministério da Educação pode ainda integrar a lista de espera. A adesão, on-line, deve ser feita a partir desta sexta-feira, 26, até segunda-feira, 29.

     

    A lista estará disponível para consulta pelas instituições de educação superior integrantes do programa em de agosto. No dia seguinte, será feita a primeira convocação. O candidato selecionado terá até o dia 7 do mesmo mês para a comprovação dos documentos e matrícula. Em 12 de agosto, será feita a segunda convocação. O prazo para aferição dos documentos e matrícula vai até o dia 15.

     

    No processo seletivo deste segundo semestre, o ProUni registrou o total de 436.941 candidatos a bolsas. O número de inscrições chegou a 844.864 — cada estudante pôde fazer até duas opções de curso.

     

    Foram ofertadas 90.045 bolsas — 55.693 integrais — em instituições particulares de educação superior. Puderam concorrer a bolsas os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtiveram no mínimo 450 pontos de média e nota na redação que não tenha sido zero.

     

    Criado em 2005, o ProUni oferece bolsas de estudos em instituições particulares a estudantes egressos do ensino médio da rede pública. Também são atendidos bolsistas integrais oriundos da rede particular. Para a bolsa integral, o candidato precisa comprovar renda bruta familiar, por pessoa, de até 1,5 salário mínimo. Para a bolsa parcial, de até três salários mínimos.

     

    O resultado da seleção e o cronograma a ser acompanhado pelos candidatos estão na página do ProUni na internet. A lista de espera estará aberta a consultas pelas instituições de ensino em 1º de agosto, no Sistema Informatizado do ProUni (Sisprouni).


    Assessoria de Comunicação Social

  • Com a nova metodologia, a ideia é dar mais transparência ao processo e valorizar áreas com mais potencial acadêmico e científico


    As regras para concessão de bolsas de mestrado e doutorado da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) terão uma maior contribuição da comunidade acadêmica. Por isso, o cadastro das instituições de ensino, previsto para ser iniciado nesta sexta-feira, 6 de março, junto à Capes será adiado para as próximas semanas.

    O novo modelo de oferta das bolsas de estudo — antes não havia metodologias específicas — pretende corrigir distorções, dar transparência e isonomia ao processo, além de incentivar o desenvolvimento regional e valorizar cursos com boas avaliações.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes

  • Ciência sem FronteirasA respeito do programa Ciência sem Fronteiras, voltado ao intercâmbio de estudantes, professores e pesquisadores, o Ministério da Educação informa que:

    • As concessões de bolsas foram finalizadas em 2014, conforme previsão inicial. Esse fato ocorreu no governo passado, quando foram lançados os últimos editais de seleção de estudantes, que ainda estão fazendo os cursos no exterior e devem concluir as atividades até o início de 2017.
    • A atual gestão já encontrou a primeira fase do programa finalizada, sem recursos novos ou orçamento para sua continuação. A primeira e imediata providência foi garantir recursos financeiros para honrar os compromissos assumidos com os bolsistas no exterior, a fim de não prejudicá-los. Nesta gestão, o Ministério da Educação incrementou em 20,9% o orçamento do Ciência sem Fronteiras, a partir de crédito suplementar, passando de R$ 1,4 bilhão para R$ 1,8 bilhão, o que garante a continuidade do pagamento dessas bolsas.
    • Diante disso, foi determinada à equipe técnica uma análise minuciosa do programa no que se refere à participação do MEC – é importante lembrar que o programa foi executado em parceria com o Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC). Análise preliminar identifica a necessidade de aperfeiçoamento do programa, em especial na graduação. As instituições participantes não foram chamadas para desempenhar um papel ativo no processo de mobilidade acadêmica; exemplo disso é a questão da aceitação de equivalência das disciplinas cursadas em outros países. Outro ponto considerado foi o custo elevado para a graduação sanduíche, cerca de R$ 3,248 bilhões para atender 35 mil bolsistas da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) em 2015, valor igual ao investido em alimentação escolar para atender 39 milhões de alunos.
    • Por decisão do ministro, o programa será retomado com novo enfoque. A Capes planeja a retomada do Ciência sem Fronteiras com foco no ensino de idiomas, no país e no exterior, estruturado de forma a incluir jovens pobres do ensino médio matriculados em escolas públicas. Haverá ênfase em bolsas de pós-graduação para mobilidade de estudantes, professores e pesquisadores, com participação mais ativa das instituições de ensino superior nos processos de internacionalização.
    • A mudança de foco proposta é exclusiva para intercâmbio de graduação. As bolsas de pós-graduação (doutorado e pós-doutorado, atração de jovens cientistas) permanecem e, dentro do limite financeiro disponível, poderão até ser ampliadas.
    • Desde que assumiu o MEC, a atual gestão já liberou recursos financeiros no montante de mais de R$ 1 bilhão para pagamento de bolsas e manutenção de estudantes no exterior.
    • O governo reitera a importância da iniciativa e vê como necessária a reformulação do programa, para contribuir com o processo de internacionalização do ensino superior e da ciência, tecnologia e inovação no Brasil.

    Assessoria de Comunicação Social

     

  • A Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica tem até o dia 17 de fevereiro para instruir os 500 estudantes que receberão bolsa e terão oportunidade de cursar disciplinas e estagiar em instituições canadenses.

    Os estudantes selecionados até agora pelos institutos federais de educação profissional, no âmbito do programa Ciência sem Fronteiras, deverão realizar sua inscrição e enviar a documentação necessária para o endereço eletrônico do programa. Os institutos que ainda não selecionaram candidatos têm o mesmo prazo para fazê-lo.

    As candidaturas são para alunos de cursos superiores de tecnologia nas seguintes áreas temáticas: controle e processos industriais, informação e comunicação, produção industrial, infraestrutura, tecnologia de defesa, produção alimentícia, design de produto, recursos naturais, tecnologia de segurança pública e saúde. E o candidato deve atender ao edital, o que inclui proficiências em língua inglesa ou francesa, nível intermediário.

    A estadia do aluno será custeada pelo programa Ciência sem Fronteiras, que também arcará com taxas escolares, seguro saúde, alojamento e refeições. Os auxílios são mensais e para despesas pessoais (US$ 300,00), ou auxílio deslocamento ou passagem aérea (Brasil/Canadá/Brasil). Caso a instituição receptora não ofereça alojamento e refeições, a bolsa pagará as taxas escolares e ainda mais US$ 870 mensais. Se desistir do curso, o estudante deverá ressarcir o governo brasileiro.

    O intercâmbio será realizado pelo período de 12 meses, sendo três meses para aperfeiçoamento no idioma (inglês ou francês), seis meses dedicados aos estudos em tempo integral e até três meses para estágio de pesquisa ou inovação tecnológica em indústria, centro de pesquisa ou laboratório da própria instituição de ensino.

    Inscrições– As inscrições serão realizadas no período de 10 de janeiro a 17 de fevereiro. De acordo com o edital, o candidato deverá realizar a inscrição na página do programa Ciência sem Fronteiras na internet e enviar a documentação necessária somente depois de pré-selecionado pela instituição da rede. O resultado será divulgado no dia 17 de abril.

    Assessoria de Imprensa da Setec, com informações do Conif

    Acesse o programa Ciência sem Fronteiras


  • O resultado da segunda convocação do Programa Universidade para Todos (ProUni) do Ministério da Educação está disponível para consulta on-line. Até o dia 22 próximo, o estudante selecionado deve comparecer à respectiva instituição de ensino para comprovar as informações prestadas no momento da inscrição, providenciar a matrícula e, se for o caso, participar de seleção própria da instituição.

     

    Caso tenha ficado fora das duas chamadas já realizadas e pretenda integrar a lista de espera do programa, o candidato deve fazer a adesão, também on-line, no período de 26 a 29 próximo. A lista estará disponível no Sistema Informatizado do ProUni (Sisprouni) para consulta pelas instituições de ensino em de agosto. No dia seguinte, será feita a primeira convocação. O candidato selecionado terá até o dia 7 do mesmo mês para a comprovação dos documentos e matrícula. Em 12 de agosto, será feita a segunda convocação. O prazo para aferição dos documentos e matrícula vai até o dia 15.

     

    No processo seletivo deste segundo semestre, o ProUni registrou o total de 436.941 candidatos a bolsas. O número de inscrições chegou a 844.864 — cada estudante pôde fazer até duas opções de curso.

     

    Foram ofertadas 90.045 bolsas — 55.693 integrais — em instituições particulares de educação superior. Puderam concorrer a bolsas os estudantes que participaram do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e obtiveram no mínimo 450 pontos de média e nota na redação que não tenha sido zero.

     

    Criado em 2005, o ProUni oferece bolsas de estudos em instituições particulares a estudantes egressos do ensino médio da rede pública. Também são atendidos bolsistas integrais oriundos da rede particular. Para a bolsa integral, o candidato precisa comprovar renda bruta familiar, por pessoa, de até 1,5 salário mínimo. Para a bolsa parcial, de até três salários mínimos.

     

    O resultado da seleção e o cronograma a ser acompanhado pelos candidatos estão na página do ProUni na internet.


    Assessoria de Comunicação Social

  • A presidenta Dilma Rousseff pretende atingir 100 mil bolsas, com a contribuição do empresariado. (Foto: Fabiana Carvalho)O governo federal vai oferecer 75 mil bolsas de estudo para pesquisa e estágio no exterior até 2014. O anúncio foi feito pela presidenta da República, Dilma Rousseff, durante cerimônia de entrega do Prêmio Anísio Teixeira, realizada no Palácio do Planalto nesta segunda-feira, 11. A premiação faz parte das comemorações dos 60 anos da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).

    As bolsas farão parte do Programa Ciências sem Fronteiras, que oferece aos estudantes a oportunidade de estudar nas melhores universidades do mundo. As bolsas do programa serão lançadas por meio de editais, em que as universidades apresentarão propostas, e terão financiamento pela Capes e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).  

    O governo pretende que essas 75 mil bolsas atinja o total de 100 mil, com a participação do empresariado. “Temos o desafio de sensibilizar o setor privado para contribuir para a formação de mais 25 mil estudantes”, disse a presidenta.

    O ministro da Educação, Fernando Haddad, ressaltou que o crescimento do Brasil se dará com a capacitação dos brasileiros em todos os níveis. “O maior ideal de Anísio Teixeira era a formação de recursos humanos de nível superior, não para o nível superior, mas para toda a educação”, disse ele.

    Para contribuir para uma formação completa da educação básica à pós-graduação, o portal de periódicos da Capes oferece todo o conteúdo da Enciclopédia Britannica Escola Online para estudantes do ensino fundamental de escolas públicas brasileiras. O conteúdo pode ser acessado em computadores localizados nas dependências das escolas públicas. Mais de 27 milhões de alunos terão acesso aos conteúdos.

    Prêmio Anísio Teixeira– Instituído pelo Ministério da Educação em 1981, nas comemorações dos 30 anos de criação da Capes, o prêmio é oferecido a cada cinco anos. São homenageadas personalidades brasileiras com relevante contribuição para o desenvolvimento da pesquisa da pós-graduação no país. Patrono da educação Brasileira, Anísio Teixeira [1900-1971] dirigiu a Capes de 1951, ano de criação, até 1963.

    Os homenageados

    Álvaro Toubes Prata — Reitor e professor titular da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Foi coordenador de área de engenharias III na  Capes. Atua como pesquisador nível 1A no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e coordena, na UFSC, o Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Refrigeração e Termofísica. Recebeu a comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico, classe Grã-Cruz, destinada a personalidades que se distinguem por relevantes contribuições à ciência. Natural de Uberaba, Minas Gerais.

    Fernando Galembeck — Professor titular da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), vinculado ao Instituto de Química, orientou 80 teses, três delas premiadas. Atua na área de novos materiais e já licenciou sete patentes. Participou da implementação do Programa de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (PADCT), que revolucionou a química brasileira. Recebeu prêmios no Brasil e no exterior, entre os quais os da Associação Brasileira da Indústria Química (Abiquim), da Sociedade Brasileira de Química e o Álvaro Alberto para Ciência e Tecnologia, em 2007. Natural de São Paulo.

    João Fernando Gomes de Oliveira — Professor titular da Escola de Engenharia de São Carlos, da Universidade de São Paulo (USP), e diretor-presidente do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo. Tem pós-doutorado pela Universidade da Califórnia – Berkeley. Foi coordenador da área de engenharias III da Capes. Reúne 200 trabalhos publicados em periódicos, congressos, revistas e jornais e cinco patentes. Foi condecorado com a comenda e a Grã-Cruz da Ordem Nacional do Mérito Científico. Recebeu o prêmio da Fundação Conrado Wessel e o SAP Americas Innovation Award. Natural de São Paulo.

    Luiz Bevilacqua — Professor emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Atuou como secretário-executivo do Ministério da Ciência e Tecnologia, diretor das unidades de pesquisa do CNPq, diretor científico da Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio de Janeiro, presidente da Agência Espacial Brasileira, vice-reitor acadêmico da Pontifícia Universidade Católica (PUC) do Rio de Janeiro, diretor do Instituto Alberto Luiz Coimbra de Pós-Graduação e Pesquisa de Engenharia (Coppe) da UFRJ e reitor da Universidade Federal do ABC (UFABC). Participou da criação do programa de engenharia civil da UFRJ. Natural do Rio de Janeiro.

    Nelson Maculan Filho — Professor titular da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ultrapassou a centena de trabalhos publicados, formou 150 mestres e 60 doutores e ocupou cargos de destaque na administração acadêmica, entre eles os de reitor da UFRJ e de secretário de educação superior do Ministério da Educação. Recebeu o título de doutor honoris causa da Universidade de Paris 13 e a Medalha da Ordem Nacional do Mérito Científico. É membro da Academia Brasileira de Ciências. Natural de Londrina, Paraná.

    Diego Rocha
  • O Programa Universidade para Todos (ProUni) registrou 814.231 inscritos até as 12 horas desta quarta-feira, 15. O número de inscrições chegou a 1.549.626 — cada candidato pode fazer até duas opções de curso. O prazo de inscrições vai até sexta-feira, 17, às 23h59 (horário de Brasília).

    Nesta primeira edição do ano, o programa oferece 131.636 bolsas integrais e 59.989 parciais, em 25,9 mil cursos. Isso significa crescimento de 18% na oferta em relação à primeira edição do ano passado.

    Estão programadas duas chamadas on-line de candidatos. O resultado da primeira será divulgado no dia 20 deste mês; o da segunda, em 3 de fevereiro, ambos na página do programa na internet.

    Para fazer a inscrição na primeira edição de 2014 do ProUni, o candidato deve ter participado do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2013 e obtido no mínimo 450 pontos na média das notas. Não pode ter tirado nota zero na redação. No momento da inscrição, será necessário informar o número de inscrição e a senha usados no Enem e o Cadastro de Pessoa Física (CPF). O candidato não pode ter diploma de curso superior.

    Para concorrer à bolsa integral, o estudante deve comprovar renda familiar por pessoa de até um salário mínimo e meio. Para as bolsas parciais, a renda familiar deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

    Estão dispensados dos requisitos de renda os professores da rede pública em efetivo exercício do magistério da educação básica, integrantes de quadro de pessoal permanente de instituição pública. Eles concorrem exclusivamente a bolsas para cursos de licenciatura.

    Espera — Este ano, há mudança quanto aos procedimentos da lista de espera. Agora, o estudante que não for pré-selecionado nas duas chamadas regulares e quiser participar da lista terá de manifestar interesse pela internet e, em seguida, nas datas previstas em edital, levar a documentação à instituição de ensino na qual pretende estudar. Após esse processo, a instituição terá prazo para avaliar os documentos. O estudante selecionado receberá o resultado por meio do boletim do candidato, disponível on-line na página do ProUni. Nas edições anteriores, o candidato tinha de manifestar interesse na lista de espera e aguardar a convocação da instituição.

    Criado pelo governo federal em 2004 e institucionalizado pela Lei nº 11.096, de 13 de janeiro de 2005, o ProUni oferece a estudantes brasileiros de baixa renda bolsas de estudos integrais e parciais (50% da mensalidade) em instituições particulares de educação superior que ofereçam cursos de graduação e sequenciais de formação específica. Podem fazer a inscrição os egressos do ensino médio da rede pública ou da rede particular, estes na condição de bolsistas integrais da própria escola.

    Financiamento — Para os concorrentes à bolsa parcial, há ainda os benefícios do Fundo de Financiamento Estudantil (Fies). O candidato pode custear os outros 50% da mensalidade, sem a necessidade de apresentação de fiador. Para isso, é necessário que a instituição para a qual foi selecionado tenha firmado termo de adesão ao Fies e ao Fundo de Garantia de Operações de Crédito Educativo (Fgeduc).

    As inscrições devem ser feitas na página do ProUni na internet.

    Assessoria de Comunicação Social

  • Os candidatos a bolsas de estudos oferecidas pelo Programa Universidade para Todos (ProUni) neste segundo semestre têm prazo até esta sábado, 4, para manifestar interesse em participar da lista de espera. Podem pedir inclusão na lista os estudantes não pré-selecionados nas chamadas regulares ou pré-selecionados em cursos sem formação de turma.

    A partir da próxima terça-feira, 7, a lista será usada pelas instituições de ensino participantes do programa para oferta das bolsas ainda existentes.

    Criado em 2004, o ProUni oferece a estudantes de baixa renda bolsas de estudos em instituições de educação superior particulares em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

    Na segunda edição deste ano, o ProUni registrou 456.973 candidatos e 874.273 inscrições. Cada estudante pode optar por até dois cursos. Foram ofertadas 52.487 bolsas integrais aos estudantes com renda familiar, por pessoa, de até um salário mínimo e meio (R$ 933). Já os candidatos com renda familiar de até três salários mínimos (R$ 1.866) por pessoa puderam concorrer a 37.824 bolsas parciais (50% da mensalidade).

    Criado em 2004 pelo Ministério da Educação, o ProUni já ofereceu mais de 1 milhão de bolsas de estudos em cursos de graduação e sequenciais de formação específica.

    O estudante deve manifestar interesse na lista de espera na página eletrônica do ProUni. O cronograma pode ser conferido no portal do programa.

    Assessoria de Comunicação Social
  • No segundo dia de inscrições, até as 19 horas, foram registrados 658.544 inscritos e 1.254.803 inscrições, considerando as duas opções de escolha dos candidatos, no processo seletivo do Programa Universidade para Todos (ProUni). O programa concede bolsas de estudo em cursos de graduação em instituições de educação superior privadas.

    Nesta edição, estão sendo ofertadas 243.888 bolsas, sendo 116.813 integrais e 127.075 parciais, distribuídas em 1.239 instituições de educação superior, no Brasil. Esta é a maior oferta de bolsas da história do ProUni, desde sua criação, em 2005. Os candidatos podem conferir as bolsas disponíveis pela página do programa, pesquisando por curso, instituição ou município.

    As inscrições do ProUni acontecem apenas pela internet e se estendem até as 23h59 de 3 de fevereiro, horário oficial de Brasília. O resultado da primeira chamada será divulgado na próxima quarta-feira, 6 de fevereiro. O calendário de atividades pode ser conferido na página do programa. Para participar do processo seletivo, é necessário que os estudantes brasileiros não possuam diploma de curso superior e tenham participado da edição de 2018 do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), tendo obtido, no mínimo, 450 pontos na média das notas do exame e nota superior a zero na redação.

    Os outros requisitos para tentar uma das bolsas são: ter cursado o ensino médio completo em escola da rede pública ou da rede particular, na condição de bolsista integral da própria escola; ser pessoa com deficiência; ser professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica, integrante de quadro de pessoal permanente de instituição pública e concorrer a bolsas exclusivamente nos cursos de licenciatura. Neste último caso, não é necessário comprovar renda.

    Para concorrer às bolsas integrais, o candidato deve comprovar renda familiar bruta mensal, por pessoa, de até um salário mínimo e meio. Já para as bolsas parciais (50%), a renda familiar bruta mensal deve ser de até três salários mínimos por pessoa.

    Programa – O ProUni, que já atendeu mais de 2,4 milhões de estudantes desde a sua criação, tem como finalidade a concessão de bolsas de estudo integrais e parciais em cursos de graduação e sequenciais de formação específica, em instituições de educação superior privadas. Desde que foi criado, o programa oferece, em contrapartida, isenção de tributos às instituições que aderem ao programa.

    O programa conta com um sistema de seleção informatizado e impessoal, que confere transparência e segurança ao processo seletivo. Possui, ainda, ações conjuntas de incentivo à permanência dos estudantes nas instituições, como a Bolsa Permanência e o Fundo de Financiamento Estudantil (Novo Fies), que possibilita ao bolsista parcial financiar parte da mensalidade não coberta pela bolsa do programa.

    Acesse a página do ProUni

    Assessoria de Comunicação Social

Fim do conteúdo da página