Portal do Governo Brasileiro
Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
  • Laboratórios móveis atenderão 41 cursos técnicos. (Foto: Arquivo Seed)Estudantes do Programa Escola Aberta do Brasil (e-Tec) terão aulas práticas em novos laboratórios móveis no primeiro semestre do próximo ano. O ministro da Educação, Fernando Haddad, conheceu nesta quinta-feira, 9, em Brasília, o modelo da empresa vencedora que vai confeccionar e distribuir os laboratórios. Ao todo serão beneficiados 28.996 estudantes de 41 cursos técnicos de ensino médio a distância distribuídos em 20 estados.

    Os laboratórios são montados em contêineres que poderão ser transportados por caminhões e deixados nos polos do programa. Destinam-se a aulas práticas e são preparados para diversos cursos. Cada veículo será composto por um ou dois laboratórios, de acordo com a necessidade de cada região.

    O laboratório móvel alia tecnologia a multifuncionalidade. Cada unidade conta com instalações de água, esgoto e gás, ar condicionado, energia elétrica e rede de ar comprimido, além de mobiliários e instrumentos de acordo com necessidade de cada curso. Os cursos do e-Tec são realizados por institutos federais e escolas técnicas estaduais distribuídos em 291 polos.

    São ofertadas vagas nas áreas de meio ambiente, saúde, segurança, apoio educacional, controle e processo industriais, gestão e negócios, hospitalidade e lazer, informação e comunicação, infraestrutura, produção alimentícia, produção industrial e recursos naturais.

    Caminhão transportará o contêiner até o polo. (Foto: Arquivo Seed)Cada instituição poderá escolher o tipo de laboratório mais adequado para os cursos a distância oferecidos. O tamanho do laboratório pode variar entre 35 e 75 metros quadrados. A empresa tem um prazo de noventa dias para produzir e começar a entregar os veículos.

    Assessoria de Imprensa da Seed
  • A Unitins poderá ofertar novos cursos de graduação a distância de forma gratuita a partir de novos projetos voltados às demandas vocacionais do estado e das regiões circunvizinhas, inclusive em parceira com o MEC, no âmbito do Programa Universidade Aberta do Brasil.

  • Estão abertas, até 13 de março, as inscrições para o curso de extensão a distância formação continuada em conselhos escolares – fases 1 e 2, ofertado pelo Ministério da Educação em parceria com a Universidade de Brasília (UnB). O curso visa capacitar os participantes para implantar e fortalecer os conselhos escolares em seus respectivos sistemas de ensino e integra as ações do Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares.

    Serão 1,2 mil vagas para estados da região Norte, Nordeste (exceto Ceará), Centro-Oeste, Sudeste (exceto São Paulo). Voltado preferencialmente para profissionais das secretarias municipais e estaduais, especialmente aqueles que atuam na área de gestão democrática, o curso será ministrado a distância e com estrutura modular para se adequar às necessidades dos alunos. O cursista contará com um tutor com quem interagirá por uma plataforma virtual de aprendizagem.

    No curso, serão ministrados os conteúdos dos cadernos que compõem o material didático elaborado pelo Programa Nacional de Fortalecimento dos Conselhos Escolares, disponíveis no portal do MEC. A fase 1 terá o conteúdo dos cadernos 1 a 5 e a fase 2, dos cadernos 6 a 10. Cada fase contará com 80 horas de aula e deve durar cerca de quatro meses. A formação é custeada pelo MEC e a certificação, expedida pela UnB.

    Para se inscrever, o candidato deve preencher uma ficha. Depois, o secretário de educação deve encaminhar ofício, devidamente assinado, contendo a unidade da Federação, o município e seu endereço eletrônico, além do nome, CPF e endereços eletrônicos dos profissionais da secretaria de educação indicados para fazer o curso.

    O ofício deverá ser enviado para o fax (61) 3349-0996, ramal 202, ou 3349-6007, ramal 202, ou digitalizado e encaminhado via Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.. Após o recebimento do ofício, a UnB enviará diretamente ao candidato uma mensagem com a senha para acesso. A inscrição só é confirmada depois que o candidato acessa a página do curso. A matrícula será cancelada caso o ofício não seja enviado ou as exigências não sejam cumpridas.

    Diego Rocha


    Republicada com alteração de informações
  • O judoca brasileiro Flávio Canto discute a importância da educação para a vida com estudantes do Colégio Estadual Vicente Januzzi, do Rio de Janeiro. O atleta que é medalhista olímpico é o  convidado do segundo episódio do Caminhos da Escola, programa da TV Escola, que vai ao ar nesta quinta-feira, 18, às 22h.

    Flávio Canto conta sua experiência em escolas na Inglaterra e nos Estados Unidos, além de falar sobre a ONG Reação, criada por ele para ensinar judô a crianças da Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro.

    O programa Caminhos da Escola, uma parceria do MEC com a TV Cultura, realizado pela Conspiração Filmes, estreou na semana passada e irá visitar escolas de várias regiões do país. Por meio de reportagens vai mostrar a realidade de escolas públicas, além de entrevistas com personalidades e um quadro que desafia os conhecimentos dos alunos das escolas públicas. A cada edição, um tema servirá de reflexão para professores, pais, estudantes e especialistas.

    O Caminhos da Escola terá como tema central, neste programa, a educação profissional no Brasil e viaja até o Instituto Federal de Nilópolis, no Rio de Janeiro para conhecer Raquel, uma estudante de química.

    Nesse segundo programa, o apresentador Léo Almeida, dá continuidade ao desafio feito a um grupo de alunos da Escola Municipal Carlos Augusto Queiroz Rocha, de São Paulo. Eles trabalham na criação de uma campanha de rádio estimulando a doação de sangue. Para isso, deverão usar a criatividade, o conhecimento, conteúdos e técnicas aprendidas em sala de aula. Eles contarão com a ajuda da professora Jaqueline Penteado e do médico infectologista Cássio Giannini.

    O objetivo do programa é mostrar como a educação é capaz de transformar trajetórias individuais e sociais, dentro e fora da escola. Nas entrevistas, os convidados são personalidades das mais diversas áreas que contam como a educação o ajudou a ser quem é e falam do seu papel na transformação da nossa sociedade.

    O programa será exibido toda quinta, às 22h na TV Escola, com reprises aos sábados, às 17h e segundas, às 22h. A TV Escola pode ser sintonizada via antena parabólica (digital ou analógica) em todo o país e por meio da internet no Portal do MEC. O sinal está disponível também nas tevês por assinatura via Embratel (canal 123), Sky (canal 112) e Telefônica (canal 694).  

    Assista à chamada do programa http://www.youtube.com/watch?v=hlp1oAk714s

    Assessoria de Imprensa da Secretaria de Educação a Distância/MEC

  • Em homenagem ao bicentenário de nascimento de Charles Darwin, a TV Escola exibe programação especial esta semana. Os programas apresentam séries relacionadas principalmente à Teoria da Evolução das Espécies, mostrando a importância desta e de outras teorias darwinianas e como essas teorias são vistas no mundo de hoje.

     

    Os programas serão exibidos de segunda-feira, 9, a sexta-feira, 13, sempre às 21h. Além de programas e séries sobre a Teoria da Evolução, os episódios contam com uma entrevista exclusiva do tataraneto de Darwin, o cientista e escritor Randal Keyes.

     

    O primeiro programa da semana, exibido hoje, conta com dois documentários, Charles Darwin e Os segredos da evolução. O primeiro, episódio da série Gênios, mostra o desenvolvimento dos estudos de Darwin, suas pesquisas sobre genética e hereditariedade, a elaboração de sua teoria da seleção das espécies e as reações suscitadas. O segundo é um programa sobre o cientista Bill Hamilton que, ao lado de Darwin, se destaca como um dos mais originais pensadores do evolucionismo. Na terça-feira, 10, será exibido o episódio Extinção, da série Evolução. O programa destaca e analisa os processos de extinção sofridos pelo planeta e a evolução das espécies ao longo da sua história.

     

    Na quarta-feira, 11, a série conta com Devir, episódio da série Lendas da Ciência em que o filósofo francês Michel Serres analisa as teorias sobre a criação e a evolução, apresentando as idéias de Cuvier, Lamarck e Darwin. Quinta-feira, 12, é a vez do programa As Grandes Transformações, da série Evolução, que mostra as transformações do homem e do mundo baseando-se na teoria evolucionista de Darwin.

     

    Sexta-feira, 13, a série chega ao fim com dois capítulos. Episódio da série Grandes Questões: a Ciência em Foco, o capítulo A Evolução de Darwin fala sobre a vida, as viagens e as pesquisas do cientista inglês. Finalizando a semana temática, A Origem das Espécies discute o impacto que a publicação da Teoria da Evolução das Espécies causou sobre a sociedade inglesa da época. O episódio conta com citações do próprio Darwin.

    A TV Escola pode ser sintonizada via antena parabólica (digital ou analógica) em todo o país. Seu sinal está disponível também nas tevês por assinatura DirecTV (canal 237) e Sky (canal 27).

     

    Veja a grade de programação da TV Escola.

    Assessoria de Imprensa da Seed

  • A Universidade Aberta do Brasil (UAB) vai efetuar uma avaliação dos polos do programa Pró-Licenciatura em todo o país. O objetivo é integrá-los ao sistema UAB. Os avaliadores visitarão 45 polos, onde verificarão aspectos como infra-estrutura, corpo docente, projeto pedagógico, posição geográfica, entre outros. Nem todos os polos do Pró-Licenciatura passarão a fazer parte do sistema. A informação foi dada em reunião realizada nesta quarta-feira, 1, na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes).


    A Diretoria de Educação a Distancia da Capes, responsável pelo gerenciamento do sistema UAB, criou um grupo de discussão que definirá os critérios e parâmetros para a avaliação. O grupo é formado por coordenadores UAB, coordenadores de polos e especialistas que já realizam avaliação em outros sistemas do MEC. Após as visitas aos locais, os avaliadores devem elaborar um relatório e trocar impressões e experiências por meio de webconferência, através de um ambiente virtual a ser desenvolvido pela Fundação. Também poderão ser realizados seminários sobre o tema.


    De acordo com a coordenadora-geral de Articulação Acadêmica da Capes, Nara Pimentel, o objetivo da avaliação não é aprovar ou reprovar os polos, mas verificar a qualidade dos cursos ofertados e promover as melhorias necessárias, garantindo a qualidade do ensino oferecido pelo sistema. “Não é uma avaliação para punir. Nosso objetivo é melhorar”, afirmou.


    Outro ponto considerado estratégico pela Capes é a integração entre os coordenadores de polos da UAB e do Pró-Licenciatura e as instituições que oferecem os cursos. “Precisamos envolver as instituições porque serão elas as responsáveis pelos cursos”, disse Nara Pimentel.


    A coordenadora destacou que o sistema UAB passa por um momento de maturação, já que está formando as primeiras turmas de graduação e iniciando cursos de especialização. Segundo ela, nessa fase o foco principal do sistema deve ser a avaliação.


    “O processo de avaliação da Capes é reconhecido internacionalmente. E a instituição quer conhecer nosso processo”, afirmou Nara Pimentel, ressaltando que, embora o objetivo da avaliação da UAB seja diferente, é necessário buscar um padrão de qualidade compatível com a tradição da Capes. Ela afirmou ainda que a avaliação quanto à qualidade dos cursos deverá ser permanente.


    Pró-Licenciatura – O Pró-Licenciatura é um programa do MEC que oferece formação inicial a distância a professores em exercício nos anos/séries finais do ensino fundamental ou ensino médio dos sistemas públicos de ensino. O Pró-Licenciatura ocorre em parceria com instituições de ensino superior que implementam cursos de licenciatura a distância, com duração igual ou superior à mínima exigida para os cursos presenciais, de forma que o professor-aluno mantenha suas atividades docentes.


    O objetivo é melhorar a qualidade de ensino na educação básica por meio de formação inicial consistente e contextualizada do professor em sua área de atuação. O programa toma como ponto de partida a ação do professor na escola em que desenvolve seu trabalho, de forma que sua experiência do dia-a-dia sirva de instrumento de reflexão sobre a prática pedagógica.

    Assessoria de Imprensa da Capes

  • Foi publicado no Diário Oficial da União(DOU) desta quarta-feira, 25, o Edital N° 40/2017, da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), que torna público o convite às instituições de ensino superior integrantes do Sistema Universidade Aberta do Brasil (UAB), para apresentação de propostas de provas virtuais. Os projetos poderão ser submetidos de 30 de outubro a 27 de novembro de 2017.

    O edital tem o objetivo de incentivar a inovação pedagógica por meio de desenvolvimento e disseminação de ferramentas tecnológicas para uso no ensino, promover a melhoria da qualidade do ensino superior público por meio de métodos e práticas de ensino-aprendizagem inovadores, além de estimular o desenvolvimento de ferramentas tecnológicas existentes para uso público irrestrito como forma de democratização ao acesso.

    Projetos – A Capes, autarquia do Ministério da Educação, solicita que os projetos sejam submetidos via internet, utilizando o formulário de propostas on-line, cujo link para preenchimento será enviado aos coordenadores UAB e adjuntos. Será aceito um projeto por instituição pertencente ao programa UAB, cujo gerenciamento será de responsabilidade do coordenador UAB ou do coordenador UAB adjunto.

    A solução proposta no projeto deverá contemplar, entre outros itens presentes no edital: um sistema automatizado, remoto, de acesso via web, adaptável às plataformas e navegadores atuais, responsivo, ou ainda dispor de aplicativos para dispositivos móveis; identificação do aluno preferencialmente antes, durante e no término da avaliação; possibilidade de inserção de questões de diferentes tipos (objetivas, verdadeiro ou falso, discursivas, relacionamento entre colunas); contador de tempo de resposta; correção automática de questões quando possível, e informação de resultado com rendimento do aluno.

    Recurso – Os projetos aprovados serão financiados com recursos no valor global estimado de R$ 1 milhão para itens de capital e custeio, oriundos do orçamento da Capes, de acordo com valores disponíveis pelo Projeto de Lei Orçamentária Anual (PLOA) de 2018. Cada projeto deverá ter o valor máximo de financiamento de R$ 300 mil.

    De acordo com o edital, a previsão é de que o resultado seja divulgado em janeiro de 2018.

    Acesse o edital.

    Assessoria de Comunicação Social, com informações da Capes 

  • Com a matrícula de 728 mil alunos em 2008, a educação a distância mostra um crescimento de 96,9% em relação a 2007, quando seu número mal superava 369 mil. Este é um dos índices registrados pelo Censo da Educação Superior em relação a essa modalidade de ensino, que comemora nesta sexta-feira, 27, o seu dia nacional.

    O censo aponta aumento expressivo no número de ingressos, matrículas, concluintes e oferta de cursos. Para o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), Reynaldo Fernandes, a expansão da educação a distância é um fenômeno mundial.

    “Esses dados mostram a ampliação do ingresso no ensino superior para um público que, por estar distante dos grandes centros, tem dificuldades de acesso à educação”, afirma Fernandes.

    O número de cursos a distância passou de 408, em 2007, para 647, em 2008, de acordo com o censo. Fernandes avalia que a ampliação, apesar de se destacar em relação a outras modalidades, não foi excessiva. “A educação a distância cresce tanto no Brasil quanto em outros países, porque é uma forma de acesso à educação. No Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade), os alunos dessa modalidade têm avaliação igual ou superior aos da graduação presencial”, observa.

    A secretária de Educação Superior do MEC, Maria Paula Dallari Bucci, destacou que o aumento da oferta de vagas em cursos de graduação se deve à Universidade Aberta do Brasil (UAB), instrumento de formação de professores, criado pelo MEC em 2005. Nos últimos três anos, foram investidos cerca de R$ 760 milhões em 556 polos, em parceria com universidades, institutos federais de educação profissional e tecnológica, municípios e estados.

    Outro ponto salientado pela secretária foi a garantia de qualidade por meio do trabalho de supervisão. “A Secretaria de Educação a Distância (Seed) tem feito supervisão nas instituições que ofertam a modalidade e inclusive descredenciou uma, a Universidade do Tocantins (Unitins), que não atendia as exigências de qualidade do MEC”, disse.

    A Seed já submeteu a supervisão 38 instituições que oferecem cursos a distância, o que corresponde a 68% dos estudantes da modalidade. Até o momento, 12 assinaram termos de saneamento, quatro estão com notas técnicas sendo preparadas, seis em análise e 15 em fase de visitas.

    Rafania Almeida
  • Sim, nos termos do Art. 5º do Decreto n° 5.622, de 2005: “Os diplomas e certificados de cursos e programas a distância, expedidos por instituições credenciadas e registrados na forma da lei, terão validade nacional”. Sendo assim, deverão ser aceitos em processos públicos de seleção e provimento de cargos.

  • Começam em 14 de março, nas cidades de Maputo, Beira e Lichinga, em Moçambique, as aulas dos quatro primeiros cursos de graduação a distância da Universidade Aberta do Brasil (UAB) oferecidos na África. A iniciativa do governo brasileiro atende a um dos dispositivos do Acordo de Cooperação Cultural celebrado entre os dois países em julho de 1991.

    Ingressam na formação 630 estudantes. A graduação em pedagogia e as licenciaturas de matemática e biologia têm 180 vagas por curso e administração pública, 90 vagas. O governo de Moçambique distribuiu as vagas de forma igualitária entre a capital, Maputo, e as cidades de Beira, que fica a 1.200 quilômetros de distância, e Lichinga, na região noroeste e a 2 mil quilômetros de Maputo.

    A graduação de professores e a qualificação de quadros técnicos do governo de Moçambique serão feitas pelas universidades federais de Juiz de Fora (UFJF), de Goiás (UFG), Fluminense (UFF) e do Rio de Janeiro (Unirio), filiadas à Universidade Aberta do Brasil e integrantes do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica (Parfor) do Ministério da Educação.

    De acordo com dados da Assessoria Internacional do MEC, 20 professores das quatro universidades e 20 educadores indicados pelo governo de Moçambique vão trabalhar no desenvolvimento desses cursos durante quatro anos. Os estudantes terão à disposição acompanhamento de tutores presenciais nos polos e a distância, material didático impresso e recursos multimídias.

    Missão– Da próxima segunda-feira, 7, até o dia 19, uma equipe de coordenadores dos cursos das universidades federais de Juiz de Fora, Goiás, Fluminense e do Rio de Janeiro, da UAB e técnicos em informática e de laboratórios farão reuniões em Maputo, Beira e Lichinga com coordenadores e técnicos locais para acertar os últimos detalhes.

    Nos três polos, a equipe vai verificar se os laboratórios e as conexões de internet estão prontos para receber os alunos e se o material didático de apoio está disponível. Nesse período, os coordenadores locais e os tutores participam da terceira fase de capacitação. O Centro de Educação Superior a Distância do Rio de Janeiro (Cederj), que é um consórcio de universidades públicas do Rio e que trabalha com a UAB, começa a elaborar o material didático para o segundo semestre, que inicia em agosto.

    A oferta de cursos de graduação em Moçambique envolve parceiros dos dois países. Do Brasil, o MEC, as universidades federais do sistema UAB, a Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), autarquia que cuida do Programa Nacional de Formação de Professores da Educação Básica, a Agência Brasileira de Cooperação (ABC) do Ministério das Relações Exteriores; de Moçambique, o Ministério da Educação.

    A parceria entre o Brasil e Moçambique prevê a formação de 5,5 mil professores da educação básica e 1,5 mil servidores da administração pública, entre 2011 e 2017.

    País situado na costa oriental da África, Moçambique tem cerca de 20 milhões de habitantes e apresenta indicadores sociais baixos: expectativa de vida de 42 anos; alfabetização de 38,7% da população; índice de desenvolvimento humano (IDH) de 0,40; taxa de mortalidade infantil – 95,9 por mil crianças nascidas vivas.

    Ionice Lorenzoni
  • Após o sucesso da primeira edição, realizada no ano passado em São João del-Rei, está sendo anunciado para outubro o II Colóquio Regional de Educação a Distância, Cultura e Produção de Subjetividade. O encontro deste ano traz uma grande novidade: será uma edição internacional, com a participação do matemático e analista institucional francês Michel Authier e do professor espanhol Marcelo Expósito, do Programa de Estudos Independentes (PEI). A programação contará com palestras, oito oficinas, painéis e mesas-redondas, além de um evento cultural.

    O II Colóquio Regional está sendo organizado pelas universidades federais de Juiz de Fora (UFJF), São João del Rei (UFSJ), Lavras (UFLA) e Itajubá (UNIFEI). O evento pretende reunir cerca de 400 participantes, entre alunos, professores, tutores e profissionais de educação a distância, entre os dias 20 e 22 de outubro.

    De acordo com o professor José Aravena Reyes, coordenador-geral do Centro de Educação a Distância da UFJF (Cead) e membro da comissão organizadora do evento, “o objetivo do colóquio é promover a discussão sobre a educação a distância, refletindo sobre as formas de subjetivação que são promovidas pelo uso das tecnologias da inteligência”.  Para ele, o evento também vai fornecer instrumentos para que os gestores de políticas institucionais visualizem as possibilidades dessa modalidade de ensino.

    A página do colóquio na internet já pode ser consultada. Lá estão disponíveis informações sobre o evento, histórico sobre a edição realizada em 2009 e a programação da segunda edição.  

    Na internet, também é possível consultar os currículos dos principais palestrantes, entrar em contato com a comissão organizadora e conhecer um pouco mais sobre Juiz de Fora (MG), cidade sede do evento, obter dicas de hospedagem e locais para visitar. Além disso, o internauta vai encontrar num blog textos sobre a educação a distância escritos por atores e profissionais da educação e da modalidade de ensino, presentes ou não ao evento, para expandir as discussões do colóquio. 

    Assessoria de Comunicação Social do Centro de Educação a Distância da UFJF
  • De modo geral, as disciplinas realizadas sem aprovação devem ser novamente cursadas conforme as regras estipuladas. No entanto, elas serão submetidas para avaliação de equivalência nas novas instituições.
  • O diploma será válido se a instituição que o emitiu for credenciada pelo MEC e o curso for reconhecido, nesse caso, o diploma emitido terá validade nacional.

  • Se um polo de apoio presencial é reconhecido pelo MEC, ele deverá constar na Lista de Polos Credenciados para EAD, disponível no seguinte endereço: http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/Excel/lista_de_polos_regulares_6.xls
    Para mais esclarecimentos, os alunos deverão entrar em contato direto com a Unitins pelo endereço: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

  • Você pode verificar a regularidade da sua instituição e de seu polo de apoio presencial, acessando o Siead – Sistema de Consulta de Instituições Credenciadas para Educação a Distância e Polos de Apoio Presencial: http://siead.mec.gov.br

  • As instituições credenciadas para educação a distância informam, em seus processos seletivos, quais as vagas destinadas para a modalidade. Portanto, ao escolher a instituição na qual pretende estudar, é importante se informar sobre o período e as formas do processo seletivo.

  • Serão aproveitadas conforme as regras estabelecidas pelas instituições de educação superior, respeitando-se os termos do artigo 3º, § 2º, do Decreto n° 5.622/2005, isto é, devem ser respeitadas as regras de equivalência e aceitação de estudos já realizados com aprovação. Para mais esclarecimentos, os alunos deverão entrar em contato direto com a Unitins pelo endereço: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..
  • Como o Termo de Ajuste de Conduta está agora no âmbito judicial, todos os prazos deverão obedecer a um novo cronograma dependente de decisão judicial. Para mais esclarecimentos, os alunos deverão entrar em contato direto com a Unitins pelo endereço eletrônico: Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

  • A Unitins vai fornecer, com ampla divulgação ao público nos veículos de comunicação com o aluno (teleaulas, AVA, portal e ofício), o endereço eletrônico para consulta aos documentos pendentes.
  • Cuiabá– Representantes de universidades e institutos federais de todo o país estão reunidos em Cuiabá para o 7º Congresso Brasileiro de Educação Superior a Distância da rede federal. Até esta sexta-feira, 5, professores, tutores, especialistas discutem os 15 anos de experiência pública na área.

    Representando o ministro da Educação na cerimônia de abertura, o secretário de Educação a Distância do MEC, Carlos Eduardo Bielschowsky, fez um balanço das ações realizadas na área. Para Bielschowsky, a modalidade tem avançado de forma quantitativa e qualitativa no Brasil. No entanto, segundo ele, o sistema cresceu de forma muito rápida, sem estar consolidado. “Para superar as falhas foram necessárias ações do Ministério da Educação para intensificar os processos de regulação e supervisão de cursos ofertados”, afirmou. O número de matrículas em graduação a distância saltou de 1.682 em 2000 para 814 mil em 2010.

    No setor público, o secretário destacou a criação, em 2007, do primeiro curso da Universidade Aberta do Brasil. O sistema, idealizado pelo Ministério da Educação, engloba 92 instituições de ensino superior públicas, cerca de 180 mil alunos em 587 polos localizados em diversas cidades do país. Em 2009, foram investidos R$ 385 milhões na Universidade Aberta do Brasil para oferta de cursos de licenciatura, bacharelado e especialização. Para 2010, está prevista a aplicação de R$ 819 milhões.

    Maria Lúcia Neder, reitora da Universidade Federal do Mato Grosso, instituição pioneira na oferta de educação a distância no país, observou que essa modalidade de ensino tem oferecido oportunidades a pessoas que vivem no interior e não têm acesso ao ensino superior. Lembrou que a Universidade Federal do Mato Grosso iniciou seu primeiro curso em 1995, com o objetivo de oferecer formação para professores da educação básica. “A educação a distância permite a oferta de formação inicial e continuada para professores”, disse.  

    Durante o encontro, os participantes discutirão as formas de avaliação de aprendizagem nos cursos superiores de educação a distância, as práticas pedagógicas de formação, material didático, tecnologias no processo de ensino, entre outros temas relevantes para a melhoria da qualidade da oferta. O encontro termina nesta sexta, 12.

    Adriane Cunha
Fim do conteúdo da página